BC sobe para 7,3% previsão de crescimento

Revisão acontece após divulgação do PIB do 1º trimestre, que cresceu 9%.

O Banco Central elevou a sua previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano de 5,8% para 7,3%, informou a autoridade monetária nesta quarta-feira (30) por meio do relatório de inflação do segundo trimestre. Se confirmada, será a maior taxa de expansão desde 1986 - quando o país cresceu 7,49%.

A revisão da estimativa do Banco Central aconteceu após a divulgação do resultado do PIB do primeiro trimestre deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos três primeiros meses de 2010, sobre igual período do ano passado, o PIB brasileiro cresceu 9% e, sobre o último trimestre de 2009, avançou 2,7%.

Consolidação do crescimento

"O crescimento vigoroso registrado pelo PIB no primeiro trimestre do ano evidencia a consolidação do atual ciclo de expansão da economia brasileira. Ressalte-se que a acomodação observada em abril, na atividade industrial e nas vendas do comércio varejista, não constitui indicativo de alteração da tendência de crescimento, que deverá seguir sustentada pelas trajetórias favoráveis do mercado de trabalho e dos índices de confiança de empresários e consumidores, e pela intensificação das operações de crédito", avaliou o BC no relatório de inflação.

Segundo análise do BC, as "trajetórias favoráveis" do mercado de trabalho, da renda real, dos investimentos e dos indicadores de confiança dos empresários e consumidores constituem

"indicativos importantes" de que o atual ciclo da economia brasileira deverá se sustentar no médio prazo.

Outras previsões

A projeção da autoridade monetária ainda é maior do que a expectativa oficial do governo, que consta no orçamento deste ano. A previsão do governo está em 5,5% de crescimento. Já o mercado financeiro prevê uma taxa de expansão de 7,13% para 2010. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, diz acreditar que a expansão poderá chegar a até 6,5% neste ano.

Setores

Segundo a expectativa da autoridade monetária, a indústria deverá crescer 11,6% neste ano, contra a expectativa anterior de 8,3% de crescimento. A indústrria extrativa mineral teve sua previsão de crescimento revista de 6,1% para 9,4%, e a indústria de transformação deverá avançar 12,3% em 2010 (contra a projeção anterior de 10,1%).

A previsão de crescimento da construção civil passou de 10,1% para 13,3%. Já o setor de agropecuária deverá registrar uma expansão de 5,4% neste ano

Para o setor de serviços, a expectativa do Banco Central é de um crescimento de 5,3% neste ano (contra a previsão anterior de 4,7% de expansão), sendo 9% a taxa de crescimento do comércio, na comparação com os 6,6% de aumento previstos em março.

Pela ótica da demanda, a estimativa para o consumo das famílias aumentou de 6,1% para

7,2%, evolução, segundo o BC, "consistente com as perspectivas de continuidade de melhora no emprego e na renda". Sobre os investimentos, a previsão de crescimento do BC para 2010 subiu de 15,7%, em março, para 17,1%.

Fonte: g1, www.g1.com.br