Brasil bate recorde em 2010 na criação de emprego formal

Brasil bate recorde em 2010 na criação de emprego formal

Foram criados 2,52 milhões de empregos com carteira assinada em todo ano

Informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgadas nesta terça-feira (18) pelo Ministério do Trabalho mostram que foram criados 2,52 milhões de empregos com carteira assinada em todo ano de 2010, o que representa novo recorde histórico.

A série histórica do Caged tem início em 1992. Até o momento, a maior criação de empregos formais para um ano fechado havia sido registrada em 2007 - quando foram abertas 1,61 milhão de vagas. No ano passado, pela primeira vez, a criação de empregos com carteira assinada ultrapassou a barreira de 2 milhões.

De acordo com dados do Ministério do Trabalho, a criação de empregos formais bateu recordes em seis dos doze meses do ano passado. O número foi o maior da história para os meses de janeiro a maio e, posteriormente, em agosto de 2010.

"Viemos de um período de 2009 em que a economia teve uma parada, e voltou a crescer no meio do ano. A consequência dessa parada fez com que a retomada, em 2010, fosse mais forte. Essa comparação favorece 2010. A crise freou um pouco esse crescimento, e o pós-crise ajudou a recuperar o que tinha perdido e a crescer ao ritmo normal de antes", declarou o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Mudança no formato de divulgação

A meta do ministro Lupi era de atingir 2,5 milhões de empregos criados no ano passado. Para atingir esse objetivo, porém, o governo contabilizou, pela primeira vez, empregos declarados fora do prazo de entrega da declaração. Esses empregos, que geralmente são divulgados somente com a divulgação da Rais, em meados de cada ano, somaram 387 mil em 2010. Sem a mudança na metodologia de divulgação, teriam sido criados, pelo critério antigo, 2,13 milhões de empregos com carteira assinada no ano passado.

"Normalmente, esperávamos coletar todos os dados fora do prazo e só juntava com os dados finais da Rais [que sai em maio], que são os dados ampliados. São dados mais próximos da fotografia real do mercado. Estou antecipando a divulgação deles. Não tem maquiagem dos dados. Não é meu perfil maquiar. Os dados são os mesmos e a metodologia é a mesma. Não há manipulação", declarou Lupi.

Mês de dezembro

Em dezembro do ano passado, o governo informou que foram fechadas 407 mil vagas com carteira assinada. Geralmente, há mais demissões do que contratações no último mês de cada ano. No mês passado, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, informou que o fechamento de vagas em dezembro seria inferior a 300 mil postos.

15 milhões de empregos nos governos de Lula

Dados do Ministério do Trabalho informam ainda que foram criados, entre janeiro de 2003 e dezembro de 2010, 15,04 milhões de empregos com carteira assinada. Esse valor incorpora os dados da RAIS, informou o Ministério do Trabalho, o que engloba, também, servidores públicos federais, estaduais e municipais.

Previsão para 2011

Lupi manteve a previsão de que serão criados, pelo menos, três milhões de empregos formais no primeiro ano do mandato da presidente eleita, Dilma Rousseff, apesar do corte de gastos esperado e da subida da taxa básica de juros projetada pelo mercado financeiro.

Segundo o ministro, o Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2), o programa Minha Casa Minha Vida, além da melhora do mercado internacional e da preparação para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas, devem impulsionar o emprego formal em 2011. Segundo ele, o setor de Serviços deve continuar "puxando" a criação de empregos formais, junto com o comércio e a construção civil.

"A economia tem o seu sistema de auto-defesa. Pode ter um aperto em alguns setores, mas vai ter um crescimento maior em outros. Penso que o Brasil ainda tem muito o que crescer, ainda temos muito o que fazer. Temos uma parcela grande da população sem água potável, temos muitas estradas por fazer. É diferente de países já evoluídos onde já está tudo pronto. O potencial de investimentos é muito grande", declarou Lupi.

Fonte: g1, www.g1.com.br