Brasileira escolhida entre 10 melhores empreendedoras

Brasileira escolhida entre 10 melhores empreendedoras

Vanessa Araújo: sua marca de cosméticos já é distribuída em 15 Estados

Desde pequena, a mineira Vanessa Araújo, 32 anos, sabia o que queria ser quando adulta. Não imaginava, contudo, que sua paixão por cosméticos lhe renderia o título de uma das dez melhores empreendedoras do mundo em tão pouco tempo. Sua empresa, a Kapeh ? que produz xampus, sabonetes, óleos de banho, entre outros itens à base de extrato de café certificado ? fez com que ela estivesse entre as dez finalistas da segunda edição do prêmio Empretec Women in Business Award 2010, promovido pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento do Comércio (Unctad), órgão ligado à ONU.

?Acredito que ter criado uma marca inovadora, que une sustentabilidade com responsabilidade social, foi o segredo do sucesso?, contou a empresária à DINHEIRO. Mas, afinal de contas, o que há de tão especial em seus produtos? Eles são feitos a partir de um grão verde de café atestado com o selo holandês UTZ Certified. A certificação garante, por exemplo, que o café foi cultivado sem o uso de agrotóxicos. ?Esse atestado agrega muito valor a um produto?, diz o professor da FGV-Eaesp, Luiz Carlos Merege.

Vanessa se formou em farmácia e bioquímica pela Universidade de Cuiabá, em Mato Grosso. Depois da formatura, ela voltou para a sua terra natal, no sul de Minas ? região tradicionalmente cafeeira ?, para trabalhar na farmácia de sua prima. ?Sempre quis ter uma empresa na área de cosméticos, mas não imaginava que haveria alguma relação com café?, disse.

A ideia de criar uma marca de produtos feitos a partir do grão surgiu em uma conversa com a mesma prima do ramo farmacêutico. ?Era preciso se diferenciar. Então pensamos no café. Havia alguns cosméticos derivados dele, mas não uma marca.? Com apenas três anos, a Kapeh (cujo significado é café em maia) tem hoje uma lista de 33 produtos espalhados por perfumarias, clínicas de estética, casas de banho e, inclusive, cafeterias em 15 Estados brasileiros, além da presença em Portugal e na Holanda.

?Queremos ampliar a participação fora do País, mas tenho consciência de que não vou abraçar o mundo de uma vez só. Por enquanto, a meta é atender todo o Brasil em 2010.? Ainda há muito espaço para crescer. Com faturamento próximo aos R$ 400 mil, em 2009, a empresária espera triplicar a cifra até o final deste ano.

Fonte: Terra