Brasileiros ainda não estão entre os mais poupadores, afirma IBOPE

Brasileiros ainda não estão entre os mais poupadores, afirma IBOPE

De acordo com o IBOPE, apenas 69% dos jovens com mais de 16 anos não têm prática de poupar.

Os dados apontam que mais de 100 milhões de brasileiros optam pela caderneta de poupança para guardar dinheiro.

Mas esses números são baixos se analisarmos os hábitos financeiros. De acordo com o IBOPE - Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, cerca de 69% dos brasileiros maiores de 16 anos não poupam.

Fatores como o prazer maior em gastar imediatamente do que em economizar, incluindo a compulsão por compras, acreditar que os bancos são exploradores, o escasso conhecimento sobre as vantagens em evitar parcelamentos tendem a contribuir na elevação desses índices, o que culmina no endividamento, causando interferência direta na abertura de uma conta.

Fazer compras à vista não está nos planos de muitos brasileiros, e isso se dá devido à ausência de orientações sobre esse assunto. Segundo dados relacionados à inadimplência dos brasileiros é revelada a necessidade de buscar maneiras para reverter essa situação. No último mês de maio, a elevação dos números de endividados subiu em 68%.

Esses números indicam que a população está comprando mais do que ganha.

Para o economista e advogado Valmir Falcão Sobrinho, ainda não é da cultura brasileira poupar, diferentemente dos americanos, que são educados a recorrer, desde cedo, à contenção de gastos. ?Eles, desde crianças, já têm noção de planejamento financeiro. Mas o Brasil também está caminhando para isso?, aponta.

A falta de planejamento, por exemplo, é um dos fatores que mais culminam para alavancar esses índices. Evitar fazer aquisições através de parcelamentos pode contribuir para aumentar as dívidas, é o que esclarece o especialista em finanças.

?O endividamento das famílias que estão em ascensão é um dos fatores relevantes, as que passaram das classes D para a C e de C para B, por exemplo, promoveram também a expansão dos créditos que, sem se planejarem, acabam devendo?, explica o profissional, afirmando ainda que os juros elevados decorrentes de débito são preocupantes.

Fatores como a oneomania, uma doença caracterizada pelo consumo compulsivo, que vem atingindo cada vez mais brasileiros, dentre eles as crianças, é também um dos motivos de levar às dívidas, assegura o economista.

De acordo com o economista Valmir Sobrinho, é importante que se busque economizar. ?Hoje a poupança é a forma mais segura. O governo inclusive incentiva essa prática?, afirma.

Jovens universitários estão no grupo dos poupadores

Em 2012, o IBOPE revelou um estudo mostrando que homens são mais poupadores que as mulheres: 35% contra 28% das mulheres. Entre os fatores que caracterizam o perfil dos poupadores, está o grau de instrução e renda familiar.

Mas contraditoriamente apontam que as mulheres, negros são os que menos possuem contas bancárias, sendo que estes estão inclusos nas classes, historicamente, menos favorecidas.

Os jovens também estão entre os que mais guardam dinheiro. Este é o caso da universitária Ester Monte, 22, que possui conta bancária há mais de 5 anos, e tem como principal objetivo a compra de uma motocicleta ainda neste mês. Os valores depositados desde a abertura da caderneta são variados. "Todo mês boto uma quantia, mas nunca é igual, ou é mais ou menos, depende muito do mês, das minhas contas", diz a estudante.

Já o também universitário João Victor, 20, conta que depois que começou a trabalhar, há cerca de 2 meses, resolveu poupar dinheiro. "É importante guardar. Poupo para realizar investimentos.

Compro as coisas mais à vista. Todo mês guardo entre 100 e 200 reais", revela o estudante de Economia, que tem como um dos intuitos primordiais a realização de uma viagem ainda neste ano. Ele, que uniu os conhecimentos que adquiriu no curso superior aos que já possuía, para abrir uma poupança.

"Escolhi essa forma porque é a mais segura. Não quero fazer meu dinheiro render, quero apenas guardar. Poderia até investir em outra modalidade que tivesse mais rentabilidade, mas seria mais arriscado", destaca João Victor.

A universitária Ester, que teve a poupança aberta pela própria mãe, esclarece que sempre procura gastar menos, e que economizar é uma das formas para se conseguir atingir um objetivo. "Sempre procuro gastar menos, economizar para atingir o objetivo, como fiz agora. ", enfatiza.

Fonte: Wherika Carvalho