Campanha Liquida Teresina aumenta venda no comércio varejista

A expectativa é que as vendas aumentem em torno de 25%

Três dias após o lançamento da ação Liquida Teresina, o volume de vendas do comércio na capital já ganhou um incremento. A informação é do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado do Piauí (Sindilojas-PI), que ainda não tem uma porcentagem exata do aumento, mas admite que o crescimento está animando os comerciantes do Estado.

Mais de 1.500 lojas do centro, bairros e shoppings estão cadastradas no Liquida Teresina. A ação garante descontos de até 70% aos consumidores. Além do abatimento, em compras a partir de R$ 25, os consumidores também concorrerão a um carro 0km, dois caminhões de prêmios e 10 televisores de 50 polegadas.

O presidente do Sindilojas-PI, Luís Veloso, destaca ainda que a expectativa é que as vendas aumentem em 25% e repita a experiência exitosa alcançada na edição 2014 da promoção. No ano passado, de acordo com o governo do Estado e Prefeitura de Teresina, a campanha injetou cerca R$ 50 milhões na economia piauiense.

Os descontos são importantes porque, diante da recessão econômica brasileira, muitos teresinenses estão procurando economizar e comprando menos. Com a Liquida Teresina, os lojistas venderão mais e poderão renovar estoque para o último trimestre do ano, período que compreende a data mais importante para o comércio, que é o Natal.

"Eu esperava movimento maior. Acho que muitos consumidores ainda não sabem da ação, mas até o final da promoção vamos alcançar nossos objetivos", acredita Luís Veloso, presidente do Sindilojas.

O Sindilojas esclarece, ainda, que lojas de materiais de construção, de confecções, de móveis, de eletrônicos, de eletrodomésticos, entre outros ramos, aderiram à ação. "Até lojistas do interior do Estado estão participando da Liquida Teresina", acrescenta o presidente do Sindicato.

A Liquida Teresina é organizada pelo Sindilojas, Câmara dos Dirigentes Lojistas e Fecomércio. A ação também conta com o apoio do governo do Estado, da Prefeitura de Teresina, Sebrae, Banco do Brasil, Banco do Nordeste e Caixa Econômica Federal.

Fonte: Carolina Durães e Izabella Pimentel