Captação da caderneta de poupança cai 47% em 2008, para R$ 17,6 Bilhões

Os dados do Banco Central mostram que a captação da poupança no ano passado teve queda de 47% frente ao resultado de 2007

A captação da caderneta de poupança (diferença entre depósitos e retiradas) somou R$ 17,6 bilhões em 2008, informou nesta quarta-feira (7) o Banco Central. No ano passado, os depósitos somaram R$ 1,15 trilhão, enquanto as retiradas totalizaram R$ 1,13 trilhão.

Os dados do Banco Central mostram que a captação da poupança no ano passado teve queda de 47% frente ao resultado de 2007, quando R$ 33,3 bilhões ingressaram na modalidade de investimentos - recorde histórico. Entretanto, o resultado é o segundo melhor da série disponibilizada pelo BC, que tem início em 1995.

Mês de dezembro

Somente em dezembro de 2008, segundo o BC, R$ 5,38 bilhões ingressaram na poupança. Geralmente, os meses de novembro e, principalmente, de dezembro apresentam captação mais alta por conta do pagamento do 13o. salário dos trabalhadores e aposentados. Mesmo positivo, o resultado do mês passado apresentou recuo frente a dezembro de 2007, quando R$ 9,13 bilhões ingressaram na poupança.

Saldo da poupança

No fim de 2008, o volume de recursos aplicado na caderneta de poupança somou R$ 270,4 bilhões, o que representa um aumento frente ao estoque registrado no fim de 2007, de R$ 235,2 bilhões. Além da captação líquida, os rendimentos creditados nas contas dos poupadores também formam o saldo da poupança.

Atratividade da aplicação

A tradicional caderneta de poupança tem a sua correção determinada pela variação da taxa referencial (TR) mais 0,5% ao mês.

No ano passado, a aplicação perdeu um pouco de sua atratividade por conta da subida de juros implementada pelo Banco Central. Os juros básicos, que estava em 11,25% ao ano no início de 2008, terminaram o ano passado em 13,75% ao ano - com o objetivo de tentar conter o crescimento da inflação.

Com isso, subiu a remuneração das aplicações em renda fixa que "concorrem" com a poupança, como os fundos ofertados pelas instituições financeiras, os CDB"s (Certificados de Depósitos Bancários) e até mesmo as vendas de títulos públicos pela internet efetuados pelo Tesouro Nacional.

Entretanto, esse cenário pode mudar em 2009 e a poupança pode voltar a ganhar mais atratividade. Isso porque a expectativa é de queda de juros neste ano. O mercado financeiro acredita que no próximo dia 21 de janeiro o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduza os juros de 13,75% para 13,25% ao ano. Para o fim de 2009, a expectativa é de que os juros fiquem em 12% ao ano.

Na poupança, ao contrário dos fundos de renda fixa oferecidos pelas instituições financeiras, não é cobrada taxa de administração e nem Imposto de Renda (IR). Deste modo, a aplicação também pode ser vantajosa para quem precisar do dinheiro no curto prazo.

Financiamento da casa própria

As aplicações em caderneta de poupança estão divididas em duas modalidades: Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e a chamada poupança rural.

No caso do SBPE, 65% dos recursos devem ser destinados a empréstimos imobiliários, o que aumenta a disponibilidade de financiamentos para a compra da casa própria, e, na poupança rural, os recursos são canalizados para o desenvolvimento da agricultura.

No ano de 2007, R$ 26,4 bilhões ingressaram na poupança por meio do SBPE. Já em 2008, segundo informou nesta quarta-feira o Banco Central, este volume foi de R$ 13,8 bilhões. Ou seja, uma queda de aproximadamente 47%.

Fonte: g1, www.g1.com.br