Celulares lideram lista de queixa dos consumidores nos Procons

Aparelhos motivaram 14,1% das reclamações, diz Ministério da Justiça. Problemas com cobrança foram os mais enfrentados em 2011.

Os problemas com aparelhos celulares foram o assunto mais reclamado pelos consumidores no ano de 2011 de acordo com o Cadastro Nacional de Reclamações Fundamentadas, divulgado nesta terça-feira (18) pelo Ministério da Justiça.

O cadastro registrou um total de 153.094 reclamações no ano passado nos Procons, contra mais de 19 mil fornecedores.

Segundo a secretária nacional do consumidor, Juliana Pereira, o órgão irá notificar, ainda nesta semana, as empresas que apresentaram o maior número de reclamações nos 170 Procons conveniados ao Sindec. As companhias serão convocadas a comparecerem ao Ministério da Justiça para apresentar suas explicações sobre as reclamações e para o baixo índice de solução das queixas. Além disso, as empresas terão de apresentar ao órgão nacional de defesa do consumidor um plano estratégico para resolver os problemas identificados pelos Procons.

Os aparelhos celulares motivaram 14,1% do total, mais que o dobro do segundo colocado, que foram as reclamações envolvendo problemas com microcomputadores e produtos de informática, com 6,8%. Na lista do ano passado, os celulares também apareceram no topo da lista, junto com equipamentos eletroeletrônicos e eletrodomésticos.

Na terceira posição do ranking estão os eletrodomésticos da linha branca, também com 6,8%, seguidos pelo cartão de credito, com 6,6%, e telefonia celular, com 6,1%.

As reclamações fundamentadas são aquelas que precisam ter audiências para solucionar o conflito entre o consumidor e a empresa e representaram 15,3% do total geral de atendimentos dos Procons no ano passado. O cadastro de reclamações existe desde 2006.

As que menos atenderam os consumidores

A Secretaria Nacional do Consumidor listou ainda as empresas que menos atenderam aos consumidores em 2011. O ranking é encabeçado pela AES Eletropaulo, concessionária de energia do Estado de São Paulo.

De acordo com os dados obtidos a partir do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec), a companhia paulista solucionou apenas 25% das reclamações registradas contra ela nos Procons.

Na segunda posição do rol de empresas que menos resolveram queixas de consumidores está a companhia aérea TAM. A empresa, demonstra o levantamento do Ministério da Justiça, resolveu somente 29,9% das reclamações encaminhadas aos órgãos de defesa do consumidor.

Problemas relatados

O Ministério da Justiça também listou o tipo de reclamação feita pelos consumidores - ou seja, os problemas relatados.

Nesse quesito, os impasses com cobrança foram os mais enfrentados pelos consumidores em 2011, de acordo com o levantamento, com 28,1% do total, seguidos por problemas com garantias de produtos, com 24%, e vício ou má qualidade de produto ou serviço, com 18,9%.

Empresas

É feito, ainda, o ranking das empresas que foram as mais reclamadas pelos consumidores (veja as 10 primeiras na tabela acima).

Por esse tipo de queixa, a Oi foi a empresa com o maior número de reclamações em 2011: foram 6.919, o que corresponde a 4,52% do total.

Em segundo lugar ficou a LG, com 5.129 queixas (3,35%), seguida da Claro/Embratel (5.082 reclamações, 3,32%).

O G1 procucou as dez empresas mais reclamadas e aguarda um posicionamento sobre o assunto.

Em nota, o Bradesco disse que reduzir os índices de reclamação é objetivo permanente da instituição financeira. "O banco está atento para adotar as medidas necessárias com as áreas internas, envolvidas nas manifestações, a fim corrigir eventuais falhas e melhorar cada vez mais a qualidade do atendimento.?

Fonte: G1