Chevrolet Agile vai custar a partir de R$ 37.708

GM espera uma venda média de 3,5 mil unidades por mês

 A General Motors anunciou nesta terça-feira (6), durante o evento de lançamento do Chevrolet Agile em Mendoza, na Argentina, os preços oficiais do seu mais novo produto. O Chevrolet Agile vai começar a ser vendido a partir do próximo dia 19 por R$ 37.708 na versão de entrada LT.

A versão LTZ, topo de linha, começa com preços a partir de R$ 39.601. A empresa aposta em uma venda média de 3,5 mil unidades do carro hatchback que chega para ser uma versão moderna do Corsa. Com o Agile, a GM dá início à renovação dos seus modelos, colocando no mercado um carro de produção em larga escala. Até 2012, a empresa pretende mudar toda a linha Chevrolet. “Vamos investir R$ 1 milhão por ano até 2012 para transformar toda a nossa gama de produtos”, afirma Jaime Ardila, presidente da GM do Brasil e Mercosul.

O carro compacto foi desenvolvido para colocar a GM na briga por um nicho de mercado importante da indústria automobilística, que contempla hatchbacks compactos com um apelo um pouco mais sofisticado, ou seja, carros um pouco mais espaçosos, mais altos e com motor mais potente que os populares. E, claro, um pouco mais caros também. Assim, o Agile chega para brigar diretamente com o Volkswagen Fox, modelo que está no mercado desde 2004, e com o Renault Sandero, que chegou em 2008. Outros concorrentes que atuam nesta faixa de preço são Fiat Punto e as versões mais caras de Ford Fiesta e Peugeot 207.

O Agile será oferecido em duas versões, ambas equipadas com motor 1.4 econoflex com quatro cilindros em linha, com potência de 102 cv com álcool e 97 cv com gasolina. O Agile LT, o mais barato, traz como itens de série equipamentos como direção hidráulica, rodas aro 15 polegadas de aço e calota, ajuste de altura do banco do motorista e da coluna de direção, computador de bordo, ar condicionado e piloto automático. A versão topo de linha chama-se Agile LTZ.

Esta versão inclui como itens de série faróis de neblina, rádio com Bluetooth, vidros e travas elétricas, alarme e espelhos retrovisores com acionamento elétrico. Equipamentos de segurança como freios ABS e airbags são opcionais nas duas versões. O Chevrolet Agile é o primeiro modelo do projeto Viva, que dará origem a uma família de novos veículos, inicialmente para mercados emergentes como o Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

O veículo foi desenvolvido no Centro Tecnológico da GM em São Caetano do Sul (SP) e no Campo de Provas da Cruz Alta, em Indaiatuba (SP), e será fabricado em Rosário, na Argentina. O Agile vai ser o substituto natural do Chevrolet Corsa, que por enquanto continuará a ser produzido. A partir da sua plataforma, a GM deve desenvolver ainda novos modelos para a família, como um sedã, um utilitário esportivo compacto e uma picape pequena. )

Entre as novidades no aspecto visual que o carro apresenta está a nova identificação que a Chevrolet desenvolveu para os modelos, com uma grade frontal ao estilo de um trapézio dividida por uma barra no meio, onde aparece o símbolo dourado da marca. O motor 1.4 é o mesmo utilizado em outros veículos da Chevrolet, como Prisma, Corsa e Meriva, mas ganhou novos ajustes para aumentar a potência.

O motor tem um novo sistema de gerenciamento eletrônico, com sensores capazes de medir a quantidade de ar admitida pelo motor possibilitando um cálculo mais preciso da quantidade de combustível a ser utilizada. Internamente, destaque para o painel com aspecto esportivo que mistura instrumentos digitais e analógicos e traz uma iluminação em azul. O computador de bordo informa quando o combustível está acabando, se a pilha do controle remoto está fraca ou se há problemas no sistema de arrefecimento.

A posição de dirigir é mais alta do que as dos hatches convencionais, ficando semelhante a do VW Fox. E o porta-malas do Chevrolet Agile tem 327 litros de capacidade, chegando a 1.140 litros com os bancos traseiros rebatidos. É maior que os porta-malas do Fox (260 litros) e do Sandero (320 litros). Resta saber como será a recepção do público com a chegada de um novo modelo logo após a volta da cobrança gradual do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e de recordes de venda na indústria automobilística nacional.

Fonte: g1, www.g1.com.br