Com alta na energia, estabelecimentos devem aumentar preços de serviços apenas no final do ano na capital

Com alta na energia, estabelecimentos devem aumentar preços de serviços apenas no final do ano na capital

O aumento da tarifa de energia elétrica anunciado na semana passada deve elevar os preços de alguns produtos em até 4%

Por conta do reajuste da tarifa de energia elétrica que entrou em vigor na semana passada, o preço de alguns produtos e serviços também deverá aumentar quase 4% para o consumidor. Como o aumento ocorreu apenas em agosto, alguns empresários ainda estão realizando o planejamento para o próximo mês ou mesmo devem segurar o valor até o final do ano.

De acordo com a empresária Eliane Rego, proprietária de uma lavanderia na zona Leste de Teresina, o reajuste poderá ser repassado aos clientes a partir dos próximos meses, quando a nova tarifa de energia elétrica for descontada. “Pelos cálculos preliminares, os custos repassados aos clientes deverão ser de 4% a 6%. Temos vários custos com energia elétrica, as máquinas de lavar, secador e passar”, explica.

Eliane ainda revela a possibilidade de segurar os preços até o final do ano, pois o valor dos produtos de limpeza também aumentou e foi repassado ao cliente. Por isso, ficaria inviável mais um ajuste. “Há uns meses tivemos o aumento do preço de produtos de limpeza, se mudarmos mais uma vez o valor do serviço, os nossos clientes provavelmente irão reclamar. Para não correr esse risco, talvez vamos absorver esse reajuste e apenas aumentaremos no final do ano”, conta a empresária.

Os salões de beleza também devem aumentar o preço dos serviços apenas no final do ano. A gerente de marketing, Luciana Dias, afirma que o salão onde trabalha realiza o planejamento no início do ano e estavam prevendo aumento do preço. “Nós fizemos os cálculos e fizemos uma margem que previa esse aumento, então quase não vamos ser atingidos. Dessa forma, os clientes vão continuar com o mesmo preço até o final do ano”, afirma.

O reajuste foi concedido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e repassado para os usuários da Eletrobras com o aumento de 24,93% (baixa tensão) para os consumidores residenciais e comerciais e 29,14% (alta tensão) para as indústrias.

Diminuição do consumo é essencial para economizar
Com o aumento de 24,93% na tarifa de energia elétrica, agora os consumidores terão que economizar se não quiserem ficar com o orçamento comprometido no final do mês. Para isso, medidas simples podem diminuir em até 50% o consumo de energia elétrica dentro de casa. Atualmente, as lâmpadas de led são uma das opções para ter uma economia de 80% em relação às lâmpadas convencionais.

O vendedor Maylton Rocha explica que a nova lâmpada, apesar ser mais cara, é superior às incandescentes e as fluorescentes. “As lâmpadas de led são 80% mais econômicas que as incandescentes. Elas custam R$ 30 reais e a antiga não passam de R$ 2, mesmo sendo muito caras, compensa na economia. Se bem conservadas podem durar décadas, enquanto a outra dura alguns meses e quebram com facilidade. Em relação à fluorescente, é 50% mais econômica”, explica.

Além da troca das lâmpadas, outras medidas simples podem fazer diferença no valor do talão de luz no final do mês.

De acordo com o gerente de eficiência energética da Eletrobras Distribuição Piauí, Edilson Uchôa, tirar os aparelhos elétricos das tomadas e ligá-los apenas quando for usar faz uma enorme diferença, principalmente se estiverem em modo “standby”. “As pessoas têm mania de querer deixar tudo ligado na tomada. Isso não é necessário, se não está utilizando, puxe da tomada. Aqueles aparelhos que hibernam no “standby” também consomem energia”, revela.

Na hora de lavar roupa, também dá para economizar, o gerente explica que a energia gasta para lavar uma peça de roupa na máquina de lavar é a mesma quantidade utilizada pela máquina em sua quantidade máxima, então o recomendado é juntar uma maior quantidade de peças de roupa possível e escolher o dia para usar a máquina. O mesmo vale para o ferro de passar, pois utiliza a mesma quantidade de eletricidade para passar uma ou dez roupas.

As geladeiras e os freezers devem apenas ser abertos quando realmente for necessário, por causa da diferença de temperatura com o ambiente, o compressor do aparelho gasta mais energia para manter a temperatura ideal. O mesmo vale para os aparelhos de ar-condicionado, por isso, os usuários devem manter as portas e janelas totalmente vedadas para não forçar o compressor do aparelho.

Edilson alerta para os aparelhos com o Selo do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), que indica o nível de consumo de energia elétrica de cada aparelho. “Esses aparelhos com o selo A tem um consumo muito menor de eletricidade, logo a economia vai ser bem expressiva. Apesar desses aparelhos serem mais caros, a economia gerada com a conta de luz irá compensar o valor alto do produto”, finaliza.

Clique aqui e curta a página do meionorte.com no facebook




Fonte: Rhauan Macedo