Com quedas nos juros, faça do cartão de crédito um aliado; saiba

Lojistas deverão reduzir o parcelamento sem juros.

Os bancos reduziram os juros e estão mudando a forma de cobrança dos cartões, após forte pressão do governo e aumento da concorrência com os bancos públicos. O consumidor atento poderá se beneficiar desse momento de transição com taxas e condições melhores para usar os cartões, além de se adiantar à possível redução no parcelamento sem juros das lojas.


Com quedas nos juros, saiba como fazer do cartão de crédito um aliado

Iniciada por Caixa e BB, a redução dos juros do crédito rotativo, que incidem quando o consumidor não paga a fatura integral no vencimento, chegou na semana passada ao Bradesco, que baixou as taxas de 14,9% para 6,9% ao mês para os cartões com bandeiras Visa, American Express, ELO e Mastercard.

Já o Itaú aposta em um sistema completamente diferente de cobrança, que lembra o americano, em que o cliente paga o rotativo desde o primeiro dia da compra, mas com os juros caindo de 12% ao mês para 5,99% -em apenas um tipo de cartão.

No convencional, as taxas dos clientes do Itaú desceram para 9,9% ao mês.

As duas iniciativas são as primeiras dos privados para o que promete ser uma mudança radical na forma como bancos, lojistas e consumidores trabalham com o cartão de crédito.

O Brasil é um dos países de maior penetração dos cartões de débito e crédito do mundo. Já tem 717,8 milhões de unidades, sendo 183,6 milhões na modalidade crédito.

No entanto, os cartões são um instrumento de crédito perigoso, que respondem por 28% da inadimplência do consumidor, quando não é bem utilizado.

No Brasil, uma em cada três pessoas que entra no rotativo do cartão acaba ficando inadimplente.

No entanto, só entre 10% a 12% dos donos de cartões entram no rotativo. Os demais pagam as contas em dia, sem cobrança de juros.

São esses clientes do rotativo, considerados de alto risco e que encaram juros de até 15% ao mês que, junto com as anuidades, bancam a comodidade e a facilidade dos demais.

Além da comodidade do pagamento eletrônico, o dono do cartão pode adiar o desembolso de compras por até 40 dias (a chamada "melhor data do cartão") e parcelar por até 12 meses sem juros.

O parcelamento sem juros foi uma alternativa para os lojistas substituírem os antigos cheques pré-datados. Já a fatura com data de vencimento sem cobrança de juros, que praticamente só existe no Brasil, foi a forma de estimular o consumidor a trocar o antigo carnê de prestações das lojas de departamento pelo cartão de crédito.

Para reduzir os juros do rotativo, os bancos discutem limitar o parcelamento sem juros e até repassar parte do risco de inadimplência para o lojista. E os lojistas são pressionados a dar desconto para quem paga à vista e a cobrar juros de quem financia.

O governo quer as mudanças só em 2013, para não prejudicar o Natal.

Um dos poucos consensos é que os juros do crédito rotativo deixarão de ser proibitivos como são hoje e se tornarão mais acessíveis, rumando para 2% a 3% daqui a alguns meses. A mudança abrirá espaço para que mais pessoas usem eventualmente o rotativo, sem comprometer totalmente o bolso.

Fonte: Folha