Compra da casa própria não deve ser por impulso,aconselham especialistas

É preciso refletir, fazer contas, ter em mente exatamente o que se quer e o que cabe no bolso

A vantagem do feirão da casa própria da Caixa Econômica Federal é reunir num só espaço várias ofertas de imóveis na planta, novos ou usados. Opções que o consumidor levaria dias para tomar conhecimento podem ser conferidas em algumas horas.

De hoje (17) até domingo (19), por exemplo a Caixa promove feirões no Rio de Janeiro (RJ), em Brasília (DF), Salvador (BA), Curitiba (PR) e Uberlândia (MG).

Mas os especialistas recomendam que não se feche negócio por impulso. É preciso refletir, fazer contas, ter em mente exatamente o que se quer e o que cabe no bolso. No site da feirão da Caixa é possível pesquisar preços de imóveis disponíveis em todo o país.

"O feirão da Caixa é uma excelente ferramenta para comparar preços do metro quadrado numa mesma região, por exemplo. Mas não feche a compra do imóvel no dia em que for ao estande ou ao local da obra. O negócio não deve ser feito em momento de emoção, por isso volte para casa e avalie com a família se é aquilo que busca", diz Marcelo Tapai, advogado especialista em direito imobiliário.

É preciso ter o foco e saber o que vai comprar. "Estamos falando da compra de uma vida. Não é como uma camisa que se não gostou e vai encostar no armário. É um compromisso para mais de 30 anos", afirma Miguel de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac).


Compra da casa própria não deve ser por impulso, dizem especialistas

Casal pesquisou construtoras e foi visitar obra antes do feirão

Visitar as obras de um condomínio com cinco torres de apartamentos antes de irem ao feirão da Caixa em São Paulo foi fator decisivo para o casal Suelen de Almeida Barbosa Sousa, 25, e Lucas Morais de Sousa, 25.

A atendente e o operador de manufaturas buscavam um imóvel que coubesse no orçamento da família em Ferraz de Vasconcelos, na Região Metropolitana de São Paulo.

"Viemos aqui no feirão já com o foco na construtora Cury. Pesquisamos para saber se as pessoas estavam satisfeitas com a empresa e se as obras são entregues, e fizemos nossa escolha", afirma Lucas.

Eles entregaram os últimos documentos da compra de um apartamento de dois dormitórios. O financiamento está sendo feito com a Caixa dentro do programa Minha Casa, Minha Vida. "Queríamos saber o que estamos comprando e se o lugar é bom. Só assim fechamos negócio", diz Suelen.

Para Flávio Prando, vice-presidente de habitação econômica do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), o feirão é uma "forma inteligente" de conhecer melhor o mercado, e checar se as opções estão de acordo com o perfil do comprador. "Não compre na primeira visita ao estande ou ao imóvel. Avalie se é esse imóvel que serve e se ele cabe no bolso", afirma.

As ofertas das construtoras e incorporadoras incluem desconto no preço final, vale-mudança, pagamento de impostos (ITBI) e kits de móveis (cozinha ou home theater).

Mas o futuro comprador não deve se deixar impressionar. É preciso ser objetivo e pensar antes de assinar o contrato.

"Mesmo que o vendedor diga que essa é a última oportunidade nesse preço, o futuro comprador não deve se impressionar", diz o advogado Tapai. Ele recomenda que o consumidor negocie sempre para fechar o melhor negócio.

Construtoras também reúnem ofertas de imóveis em um só lugar

Para o oferecer ao consumidor os estoques prontos e imóveis na planta, algumas incorporadoras e construtoras também fazem o seu "feirão" de imóveis.

A construtora Even tem uma megastore de imóveis na planta e prontos na rua da Consolação 1.515, no centro da capital paulista, onde será erguido um empreendimento, e também na internet. São oferecidos mais de 50 empreendimentos em diversos bairros somente na cidade de São Paulo.

Segundo Marcelo Dzik, diretor de incorporação da Even, a empresa vende desde apartamentos com 50 metros quadrados a imóveis com mais de 300 metros quadrados. O objetivo é atender diversos públicos da classe média à alta. A assessoria de imprensa da Even informa que os preços dependem de localização, metragem, andar e número de unidades do empreendimento.

Outro exemplo é a Brasil Brokers que faz a segunda edição do Festival de Imóveis Prontos nos meses de maio, junho e julho. Segundo a assessoria de imprensa da empresa, são oferecidos cerca de 5.000 imóveis em todo o país, com valores a partir de R$ 200 mil. As ofertas estão nas lojas da empresa distribuídas no país e no site da Brasil Brokers, basta selecionar o estado para ver os imóveis que estão sendo vendidos.

Na avaliação de Luiz Paulo Pompeia, diretor da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraesp), essa pode ser uma boa oportunidade de negócio se for bem pensada e pesquisada.

"É possível negociar desconto no preço final de imóveis já prontos, pois as empresas precisam de liquidez e esses imóveis dão despesas como impostos e condomínios".

O valor do desconto a ser negociado depende da localização do apartamento -bairro, andar, incidência de sol (norte é a melhor) e número de unidades disponíveis.

O advogado Marcelo Tapai afirma que os cuidados ao comprar em feirões das empresas devem ser os mesmos: não comprar por impulso, visitar o local antes de fechar negócio, conhecer a vizinhança, entre outros.

"Tome cuidado para não comprar um imóvel onde não bata sol, por exemplo, ou em andar baixo que fique de frente para a área de lazer, que terá muito barulho quando todos estiverem morando", diz.

Fonte: UOL