Concessionárias apostam em recorde de vendas com o fim da redução do IPI

Concessionárias apostam em recorde de vendas com o fim da redução do IPI

Para o varejo, abril continuará forte apesar de volume menor em vendas.

 Apostando na máxima de que o brasileiro adora deixar tudo para a última hora, os concessionários acreditam que o fim da redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI), estabelecido pelo governo para 31 de março, vai atrair uma nova onda de consumidores a procura de carros zero quilômetro.

Para ganhar a disputa, montadoras e lojas preparam promoções especiais que começam a partir deste fim de semana. De acordo com o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Sergio Reze, o mês de março é tradicionalmente forte em vendas, mas o fim do benefício ajudará a aumentar a procura.

Se a previsão do ‘boom’ se confirmar, este mês irá superar o recorde março de 2009, quando foram vendidas 271,4 mil unidades de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus), também por influência de um possível fim para o desconto sobre o IPI

O incentivo fiscal foi adotado inicialmente em dezembro de 2008 para todos os veículos, para estancar a crise financeira internacional, que derrubou as vendas do setor. Desde então, a medida tem sido prorrogada

De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, as vendas devem aumentar para 310 mil unidades em março. A afirmação foi feita nesta terça-feira (2) durante reunião de representantes do governo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Nas lojas, o clima é tão positivo quanto a afirmação do ministro. De acordo com o gerente de vendas da concessionária Nova Chevrolet (em São Paulo), Ivan Savarian, várias ações serão mantidas no mês. “A primeira vai ser o feirão de fábrica neste fim de semana, mas a montadora ainda não divulgou detalhes sobre as taxas promocionais”, afirma Savarian.

De acordo com o gerente, somente na unidade onde é responsável, a da Vila Mariana, a expectativa é vender 120 carros. “Já trabalhamos com a margem de lucro reduzida e vamos continuar fazendo algo atrativo para o consumidor, mesmo para outros meses, porque a concorrência é muito forte”, destaca Savarian. Em Curitiba (PR), a supervisora de vendas da Ford Center Marechal, Rosemeire Silva Xavier, acredita em crescimento de 25% das vendas.

“Toda a linha está com promoção, ou de fábrica ou de ações nossas”, afirma a supervisora. A gerente de vendas da Fiat Roma, Adriana Filó, afirma que a procura por carros novos já sobe desde o início da semana em Belo Horizonte (MG). Segundo ela, a Fiat ainda avalia o desempenho desta semana para poder calcular o bônus que será repassado à rede de concessionárias

“Em cima dos bônus fazemos o nosso marketing”, explica. Adriana espera vender no mês 250 unidades na loja onde é responsável. “Nosso volume normal é de 180 a 200 unidades”, observa a gerente. Abril continuará forte Para o presidente da Fenabrave, a crise no setor acabou. Segundo ele, não há mais necessidade de se manter o desconto do IPI para estimular as vendas.

Mesmo assim, Reze defende que o setor automobilístico deveria ter os percentuais dos tributos revistos, assim como a forma como são cobrados. “É um dos únicos setores que se paga todos tributos na fonte”, protesta o representante das concessionárias. Sergio Reze não arrisca previsões para abril, mas acredita que passado o boom de março, o nível de vendas ainda ficará em patamar alto.

"Vamos ter ideia realmente de como está o setor em junho”, observa Reze. E para não deixar o ritmo cair, as concessionárias afirmam que vão manter as promoções. Para ajudar, muitos carros faturados ao final de março só chegarão às lojas em abril, o que garantirá produtos disponíveis no próximo mês ainda com desconto no imposto. “Em abril, vamos manter as promoções”, destaca Rosemeire. Em Minas Gerais, a gerente Adriana Filó também não irá abrir mão das promoções.

“A gente tem que tentar ser diferente, seja com desconto, IPVA total ou um brinde. Vale muito como o cliente chega”, diz Adriana. A gerente de vendas espera queda da demanda em abril na comparação com março, mas acredita que o volume fique na média normal de vendas. “O mercado está aquecido”, ressalta Adriana. Com tanta procura, o presidente da Fenabrave aconselha o consumidor a pesquisar e a não deixar a compra para a última semana. “Se deixar pra última hora, o consumidor pode não conseguir o carro com o acabamento que quer, seja cor, itens opcionais etc.”, aconselha Reze.

Fonte: g1, www.g1.com.br