Custo de vida da classe média sobe 4,04%

Resultado foi menor que o de 2008, quando alta foi de 6,22%

O Índice do Custo de Vida da Classe Média (ICVM) teve, em 2009, uma variação positiva de 4,04%.

O resultado foi menor que o apurado em 2008, quando houve um aumento de 6,22%, de acordo com levantamento feito pela Fecomercio em parceria com a Ordem dos Economistas do Brasil (OEB). Em dezembro, o indicador subiu 0,27%.

O índice, que abrange o intervalo de renda entre 5 e 15 salários mínimos do município de São Paulo, foi puxado no ano passado pelos setores com maior peso no ICVM, como habitação (32,4%), transportes (18,2%), alimentação (17,8%).

Segundo Gilson Garófalo, economista da Fecomercio, a distância cada vez menor entre o preço da gasolina e do etanol contribuiu para o aumento do grupo transportes, que teve alta de 0,56% em dezembro e 2,16% nos doze meses.

"Como o provimento do etanol, no curto prazo, não deve ser restabelecido e o limite desta relação, em favor do etanol, é de até 70%, os usuários de veículos flex começam a preferir o combustível fóssil ao biocombustível", afirma o economista.

Já os preços de veículos novos e usados caíram 5,23%, em média, no ano de 2009, com a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de veículos motorizados, estimulando a compra ou troca por modelos novos ou mais atuais.

O grupo habitação apresentou elevação de 0,14% no último mês do ano passado e de 4,11% no período de janeiro a dezembro. A maior participação ficou por conta do subgrupo serviços essenciais de moradia, com destaque para energia elétrica, onde o custo cresceu 10,93%.

O único grupo que teve queda em dezembro foi alimentação, registrando um recuo de 0,10%. Porém, no ano de 2009, o setor teve aumento de 3,42% ante os 10,67% de 2008.

"Essa queda foi determinante para a diminuição da taxa de variação da alimentação em 2009 em relação ao ano de 2008", explica Garófalo.

Contribuíram para o resultado, em taxas anuais, o coxão mole (-3,95%), a picanha (-11,95%), o pernil suíno (-18,14%), o frango (-8,05%), o leite longa vida (-4,51%), o arroz ( -14,21) e o feijão (-31,79%).

As chuvas também prejudicaram a oferta dos produtos do subgrupo hortifrutigranjeiros que assinalaram variação de 13,93% de janeiro a dezembro de 2009 e 0,30% em dezembro.

Em dezembro, o maior aumento foi em despesas pessoais, que tem peso de 12,2% no índice, e registrou um crescimento de 0,66%.

Fonte: g1, www.g1.com.br