Déficit da Previdência deve subir em 2010

Envelhecimento da população e saída do mercado de trabalho preocupam governo

Mesmo com a perspectiva de crescimento econômico acima de 5% e de criação de quase 2 milhões de empregos formais neste ano, a tendência é de o rombo da Previdência Social não parar de crescer nos próximos anos, pressionando ainda mais os gastos públicos. Somente de 2009 para 2010, o déficit vai saltar de 1,41% para 1,57% do PIB (Produto Interno Bruto), ou seja, de R$ 43,6 bilhões para R$ 52,3 bilhões.

Em 2044, segundo demonstrativo da projeção atuarial do regime geral da Previdência Social, publicado na semana passada no Diário Oficial da União, o saldo negativo deve totalizar 2,85% do PIB. Pelos cálculos do governo, em termos nominais, isso vai corresponder a R$ 681 bilhões.

Alguns analistas do setor disseram que esses dados só comprovam a necessidade de uma nova reforma da Previdência. O próprio ministro da pasta, José Pimentel, já afirmou que o país precisará promover mudanças no sistema em 2019 para que o déficit não siga numa tendência explosiva.

Isso será necessário porque, a partir de 2012, a Previdência Social deve começar a registrar saldos negativos na área urbana. Normalmente, esses números são superavitários. O déficit se concentra na região rural e nos benefícios da assistência social. Segundo o secretário de Previdência Social, Helmut Schwarzer, um dos principais motivos para a deterioração das contas no longo prazo é o envelhecimento da população.

Para Schwarzer, em algum momento deve ser discutido pela sociedade uma forma de estimular os brasileiros a permanecer no mercado de trabalho por mais tempo, assim como estabelecer critérios para a concessão de pensões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: R7, www.r7.com