Desabastecimento aumenta preços de produtos dentro da Ceapi, em Teresina

As manifestações dos caminhoneiros, que bloquearam estradas por todo o país, acabaram por deixar mais caro os preços dos produtos que chegam à Ceapi

Laranja, batata, abacate, morango, tangerina, beterraba e cenoura são os principais produtos que começam a ficar escassos nos estoques da CEAPI (Central de Abastecimento do Piauí). O motivo da ausência desses itens são as manifestações de caminhoneiros que estão acontecendo nas rodovias de todo país. O problema no abastecimento já se reflete nos preços e a saca de 50 kg de batata inglesa, que custava aproximadamente de R$ 120,00, já está em torno de R$200,00, um aumento de quase 70%.

Dentre os principais estados que abastecem o mercado piauiense estão listados a Bahia(BA), Goiás(GO), Brasília (DF), Minas Gerais (MG), Espírito Santo (ES), Paraná (PR), Rio Grande do Sul(RS) e São Paulo (SP). Nessas regiões estão acontecendo protestos, bloqueando rodovias e impedindo o carregamento dos caminhões.Isso afeta diretamente o abastecimento no Piauí, que não possui uma produção agrícola, dos itens ausentes, capaz de atender a demanda interna.

Segundo a CEAPI, esta semana ainda existem produtos que podem suprir a demanda a curto prazo. No entanto, alerta que logo o estoque será consumido e produtos novos não estão sendo repostos, o que pode resultar no aumento dos preços. Com o bloqueio das estradas, comerciantes precisam buscar alternativas mais caras para garantir que os produtos cheguem. O auxiliar técnico da CEAPI, João Cícero Lima, informa que os morangos que geralmente vêm do Espírito Santo não chegaram e foram encomendados outros de Brasília, que vieram de avião.

A CEAPI informa que o abastecimento de hortaliças não foi afetado, pois elas partem do Ceará e esta rota não foi bloqueada pelos protestos. Os varejistas também ainda não sofreram tantos impactos, pois estão com estoque considerável. Para o órgão, o problema se concentra nos atacadistas que precisam de um volume maior de alimentos para preparar a feira do fim de semana.

Atacadista há mais de 30 anos, o senhor Bernardo Costa Pereira já sentiu o impacto da paralisação dos caminhões.

Ele afirma que dos 09 carregamentos que esperava para ontem, apenas um descarregou. De acordo com ele, não há mais produtos para este fim de semana. Ainda assim, ele acredita que no próximo fim de semana tudo vai normalizar, pois os caminhoneiros já estão se articulando para retornar às atividades.

Fonte: Vicente de Paula