Fim do IPI não afeta as vendas em lojas do Piauí

As promoções que acontecerem, principalmente, no setor da linha branca, não estarão ligadas diretamente ao fim do IPI reduzido do setor

Em 2011, novas medidas foram instituídas pelo Ministério da Fazenda e elas tinham como foco tentar estimular o crescimento econômico com o corte de impostos e tributos.

A partir disso, desde dezembro do ano retrasado, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) foi reduzido. Mas este ano chegou com uma série de mudanças que mexeram diretamente com o bolso do consumidor.

As melhores notícias foram o aumento do salário mínimo e a redução da conta de luz. Já as que pesaram um pouco mais na renda dos consumidores foram a alta dos combustíveis e a redução deste desconto do IPI dos carros, linha branca, móveis e material para construção.

A previsão era de que a medida fosse encerrada no dia 31 de dezembro de 2012, mas em alguns produtos ela ainda permanecerá até junho de 2013.

Mesmo com esta permanência, o fim do desconto começou a aparecer em janeiro deste ano, e no caso da linha branca (fogão, lavadoras, micro-ondas e geladeiras) os preços voltaram ao normal no mês passado.

De forma geral, o valor do tributo que voltou foi menor que o de antes da proposta de redução, o que não tem afetado significantemente as vendas na capital piauiense.

Bernardo Costa, gerente de uma loja em Teresina que vende estes produtos, afirma que o fim da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a chama linha branca já era previsto e que muitas lojas conseguem segurar o fim desta proposta por um tempo, mesmo assim, isso não afetará as vendas. ?Sabíamos que a redução não ia durar para sempre.

Quem comprou com a redução do IPI se deu bem, quem não comprou vai se dar bem, também?, informa Bernardo garantindo que as vendas continuam aquecidas e que se as promoções ocorrerem neste setor, não serão devido ao fim da redução.

?Por enquanto, as pessoas estão consumindo como se não tivesse acabado, elas não estão preocupadas, porque o preço continua muito bom?, explica. Além disso, independente do fim da redução do IPI, o valor das mercadorias da loja que Bernardo gerencia baixou. ?As próprias fábricas costumam fazer redução dos seus preços para que o revendedor baixe o preço para o seu consumidor?.

Lojas do centro registram retração após o carnaval

Outro gerente de loja em Teresina que já esperava pelo fim do desconto através da redução do IPI, e também não notou a diferença de preços nos produtos é Ronaldo Câmara.

"O imposto tinha zerado e não deve passar de 2%. Não notamos diferença nos preços dos produtos e nem tivemos redução de vendas, os preços até baixaram". Ronaldo associa a necessidade de diminuir os preços ao fato de o mês de março sempre ter uma queda significativa nas vendas.

"Neste período as pessoas estão retornando do carnaval com muitos gastos e economizando para a Semana Santa, por isso elas deixam de comprar neste mês, mas nada relacionado ao fim da redução do IPI e sim pelo recesso, já que, às vezes, elas nem sabem que houve o fim da redução", conclui.

Não há dúvidas que, mesmo com a volta do IPI nos produtos de linha branca, as vendas neste setor não passaram por mudanças drásticas, já que os preços, segundo os próprios gerentes, continuam os mesmos.

Fonte: Djalma Batista e FLÁVIA ARAÚJO