Funcionário de hospital viaja e não participa de bolão ganhador da Mega

Aposta vencedora foi feita por 22 colegas de hospital em Teofilândia, na BA.

Um funcionário do Hospital Municipal Waldemar Ferreira, de Teofilândia, a 194 km de Salvador, deixou de participar do bolão vencedor da Mega da Virada, organizado por colegas da unidade de saúde, porque resolveu viajar. Em entrevista nesta quinta-feira (2), o homem, que prefere não se identificar, revelou que o nome dele era um dos primeiros da lista do bolão, mas foi excluído pela falta de pagamento no dia da aposta. "O organizador do bolão resolveu adiantar a aposta e como eu viajei e acabei não pagando, meu nome foi retirado da lista", disse o funcionário.

Segundo ele, quando soube que a aposta teria sido uma das vencedoras da Mega da Virada, o arrependimento foi imediato. "Poxa, não fale não. Fiquei abatido, mas vou torcer pelos colegas. É assim mesmo. Eu sou tranquilo e Deus prepara tudo no tempo certo. Vou aguardar agora a próxima vez e não deixar mais de jogar", contou ao G1. Ele ainda disse que o bolão foi organizado por um dos motoristas da ambulância do hospital.

Ao ser perguntado sobre algum pedido de demissão ou alguma mudança na rotina da unidade de saúde, o funcionário informou que a maioria dos participantes do bolão está de férias e só deve retornar em fevereiro, se retornarem. "Eles estão levando a vida normal, tem muitos viajando. Até agora não tem nada resolvido. Acredito que alguns devem pedir afastamento até mesmo por questões de segurança, mas não posso afirmar", disse. "Todos os que venceram são pessoas humildes e merecem esse prêmio", conclui.

Bolão

Vinte e dois funcionários do Hospital Municipal Waldemar Ferreira, de Teofilândia, a 194 km de Salvador, devem dividir o prêmio de uma das apostas ganhadoras da Mega-Sena da Virada, sorteada na terça-feira (31).

Um deles é vereador do município, que também trabalha como motorista de ambulância no hospital. Em entrevista ao G1 na quarta-feira (1º), ele contou a história do bolão de sorte organizado pelos trabalhadores, mas prefere não revelar o nome por questões de segurança.

De acordo com o vereador, os 22 trabalhadores que decidiram participar da "brincadeira" entre colegas têm agora a tarefa de ratear a quantia de aproximadamente R$ 56 milhões dos R$ 224.677.860,07 totais do prêmio especial da virada de ano. Outras três apostas foram contempladas na Mega-Sena da Virada: Curitiba (PR), Palotina (PR) e Maceió (AL). No Paraná, um bolão oficial da Caixa Econômnica Federal foi contemplado. As dezenas sorteadas foram 20 - 30 - 36 - 38 - 47- 53.

As apostas do bolão "informal" do Hospital Municipal, segundo conta o vereador, foram feitas na lotérica Rubi, única de Teofilândia. "O jogo premiado foi feito pela máquina [da lotérica]. Porque a quantidade de dinheiro que a gente arrecadou era maior do que a quantidade de apostas dos bilhetes marcados", diz o novo milionário da cidade, que tem 22.873 de habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O vereador afirma que não pretende se mudar da cidade e que apenas planeja uma viagem para logo depois que retirar o prêmio. O cargo de vereador ele garante que levará até o final do mandato, o primeiro dele.

Ele explica que dos 22 colegas apostadores do bolão, quatro pagaram R$ 10 e devem ficar com R$ 4,3 milhões cada; e os outros 18, inclusive ele, contribuíram com R$ 5 e ficarão com R$ 2,160 milhões, aproximadamente.

"Quando eu soube que ganhei, agi com muita naturalidade. Estou muito tranquilo. São muitas

pessoas de lá [do hospital] que ganharam. Tem enfermeira, técnica de enfermagem, motorista de ambulância como eu, o pessoal da higienização do hospital, da cozinha", afirma. "Estava na casa de minha irmã quando aconteceu o sorteio e nem estava esperando para conferir os números. Depois soube que um dos ganhadores era de Teofilândia e só aí despertou a curiosidade, mas não estava acreditando que tivesse ganhado", revela.

O vereador diz que praticamente todo mundo da cidade já sabe que ele e outros colegas são os ganhadores. "Me preocupo com essa exposição porque aqui na cidade já tiveram assaltos, inclusive lá na lotérica. Pretendo viajar, mas não vou sair daqui por causa do dinheiro", planeja o pai de família, que tem dois filhos. Ele revela que já tem gente pedindo ajuda financeira antes mesmo do prêmio chegar nas mãos dele. "Aí, pra essas pessoas, eu peço calma. Tem que ter cuidado", brinca.

Fonte: G1