Greve de 24h pára 90% dos bancos no Piauí

Do lado de fora, os empregados cruzaram os braços em sinal de protesto ao impasse dos banqueiros

Nenhuma ag?ncia banc?ria abriu as portas, ontem, em Teresina. Orientados pelo Comando Nacional, banc?rios de Teresina deflagaram a greve de 24 horas na capital piauiense, atingindo 90% dos bancos e alguns do interior do Estado. Do lado de fora, os empregados cruzaram os bra?os em sinal de protesto ao impasse dos banqueiros em atender a pauta de reivindica?es da categoria.

As mobiliza?es aconteceram nas ag?ncias do centro da cidade, como

nas ag?ncias do Banco do Brasil da Rua ?lvaro Mendes e ag?ncia da Caixa da Rua Areolino de Abreu, al?m do Bradesco, Ita?, Santander, Banco do Brasil, BEP, Banespa, HSBC, BNB, Real, Unibanco e Caixa Econ?mica Federal, totalizando cerca de 1.500 banc?rios em todo Piau?.

?A greve de 24h foi positiva, chegando a parar, inclusive, os bancos privados?, avalia o presidente do sindicato, Jos? Ulisses de Oliveira. Ele percorreu v?rias ag?ncias no centro e periferia de Teresina para avaliar de perto como foi a mobiliza??o da categoria na capital piauiense. ?Vamos

esperar agora pela avalia??o nacional para decidir opr?ximo passo dos banc?rios.

E se n?o houver uma nova proposta, vamos parar por tempo indeterminado?, adverte Ulisses. A data-base dos banc?rios ? dia 1.? de setembro, mas at? agora n?o houve acordo entre as partes. Na semana

passada, banqueiros e funcion?rios se reuniram para decidir as quest?es salariais, mas nenhuma reivindica??o foi atendida. A contrapartida

dos banqueiros ? de um aumento de 7,8%, quando, na verdade, os grevistas exigem reajuste de 13%.

Segundo explica o vicepresidente do sindicato, Valdisar Leandro, foi uma paralisa??o de advert?ncia, ?mas os bancos v?o ficar em estado de greve aguardando uma posi??o do Comando Nacional. Trabalhamos com poucos funcion?rios e isso sobrecarrega nosso trabalho?, disse. Al?m disso, o Sindicato dos Banc?rios vem desenvolvendo uma luta contra o ass?dio moral nas ag?ncias e conforme Valdisar, os funcion?rios s?o pressionados

a cumprirem metas.

De acordo com o diretor Arimat?a Passos, a greve ? a ?ltima arma dos banc?rios para conseguir pressionar os banqueiros. ?Mas apelamos para que a greve n?o aconte?a?, frisa, acrescentando que at? o momento n?o foi apresentada uma proposta que atendesse as necessidades da categoria. Ap?s a paralisa??o, a categoria se reuniu para definir os pr?ximos passos do comando. O objetivo da paralisa??o de ontem foi chamar a aten??o do sindicato patronal para reabrir as rodadas de negocia?es.

Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte