Brasil: Inflação alta é desafio a investidor; veja como se proteger

Inflação alta desafia pequeno investidor

Os juros baixos tornarão, nos próximos meses, quase impossível para o pequeno investidor ter aplicações de renda fixa que superem ou, pelo menos, empatem com a inflação, que deve seguir em um patamar elevado.

Em outubro, pouquíssimos investimentos conservadores conseguiram superar a inflação pelo IPCA, índice oficial do governo, que ficou em 0,59%, após descontados o Imposto de Renda e as taxas de administração.

A velha poupança rendeu 0,5% e a nova caderneta, 0,43%. Já os fundos DI deram um retorno de 0,47% a 0,51%, após o pagamento de IR.

Só as aplicações atreladas a índices de preços --as NTN-B do Tesouro Direto e os fundos de investimento que seguem o IPCA-- deram uma boa proteção para os investidores. Alguns desses fundos e títulos estão com rendimento na casa de 20% em 2012.

O problema é que pode ser tarde para entrar agora nessas aplicações.

Esses fundos e títulos estão com preços altíssimos e podem desabar nos próximos meses se a inflação recuar ou se o Banco Central voltar a subir os juros --dois riscos que não podem ser desprezados.

Isso porque a remuneração desses investimentos se dá tanto pela inflação quanto por uma taxa prefixada de juros. Ao menor sinal de que o BC subirá os juros, o valor desses papéis cairá para se ajustar a nova realidade, podendo inclusive ficar com rendimento negativo.

CUIDADOS

"Quem entrar agora tem que tomar cuidado para não chegar no fim da festa. O preço pago pode ser muito caro", afirma Fabio Colombo, administrador de investimentos pessoais.

Para Colombo, a melhor proteção agora é apostar em títulos pós-fixados, como as LFT, e fundos DI com taxa baixa de administração.

Se a inflação persistir, o Banco Central será obrigado a elevar os juros, impulsionando esses investimentos.

Já os papéis prefixados e os fundos de renda fixa sofrem um baque se esse cenário se confirmar.

"Os fundos de inflação foram a coqueluche deste ano. Alguns triplicaram o patrimônio. Mas o investidor tem que tomar cuidado para não entrar na alta", diz Andre Abreu, gerente de renda fixa da BBDTVM, gestora do BB.

"[Esses fundos] tiveram rendimento muito elevado, mas daqui para frente vão render bem menos", afirma Synara Policarpo, superintendente de investimentos do Santander.

Segundo ela, outra opção é uma carteira diversificada, que tende a render acima da inflação no longo prazo.

Para Mauro Halfeld, professor da UFPR, além dos fundos e títulos ligados a índice de inflação, o investidor pode apostar em fundos imobiliários. A maioria reflete o pagamento de aluguéis, que costumam ser reajustados pela inflação. "Diversifique aqui para não passar susto com um determinado inquilino ou com o eventual fracasso de um empreendimento comercial ou industrial."

"INFLAÇÃO DA VIDA"

O educador financeiro Mauro Calil ressalta que o mais difícil, na verdade, é se proteger da "inflação da vida". Para isso, é importante fazer uma planilha de controle de gastos e ver onde as despesas aumentaram.

"Proteger-se da inflação nos investimentos é menos problemático. Agora, da inflação na própria vida é muito mais importante. Se você tem R$ 1.000 investidos e a inflação foi de 6%, no final do ano você tem que ter ao menos R$ 1.060 para empatar com a inflação", diz.

"O seu investimento preservou o poder de compra da economia como um todo, mas isso não quer dizer que preservou o seu poder de compra, porque a sua ceia de Natal pode ter saído de R$ 1.000 para R$ 1.800."

Segundo ele, o mais importante para criar um patrimônio com investimentos é investir com congruência e consistência, ou seja, aplicar sempre um pouco.

Outros pontos importantes são: reinvestir juros e dividendos, investir em setores que cresçam, diversificar a carteira (entre renda fixa, renda variável e imóvel) e se manter atualizado e atuante, pois mudanças na economia podem mexer no rumo dos investimentos.


Inflação alta é desafio a investidor; veja como se proteger

Fonte: Folha