Irmãs brasileiras exportam caldo de cana na caixinha para o Japão

No total, o negócio já recebeu R$ 3 milhões em investimento

As irmãs Ana Carolina Salles Leite Viseu e Ana Maria Leite iniciaram a Acana, marca que vende o caldo de cana (também conhecido como garapa) em embalagens Tetra Pak. Elas lançaram o produto em setembro do ano passado, já exportam para países como o Japão e esperam faturar R$ 5 milhões em 2016.

“A ideia surgiu num almoço familiar”, lembra Ana Carolina. A história da família com a cana-de-açúcar já é antiga. Eles têm uma fazenda em São Carlos há várias gerações, e desde 1950 a propriedade é usada para plantação de cana, sendo que parte da produção ia para os garapeiros.

As irmãs então entraram de cabeça no projeto e passaram dois anos desenvolvendo o produto, com a ajuda de engenheiros de alimentos. O objetivo de tanta pesquisa era garantir um caldo gostoso como o da feira, com durabilidade na caixinha e sem conservantes.

E elas conseguiram. “O nosso caldo não tem conservantes ou outros produtos químicos. É só caldo mesmo. Com a diferença de que você não corre o risco de passar mal depois, como às vezes acontece na feira, já que o nosso é produzido num processo industrial”, afirma Ana Carolina, que antes do negócio atuava no mercado financeiro, enquanto sua irmã Ana Maria trabalhava como jornalista.

Com a receita em mãos, as sócias investiram na montagem de uma fábrica para a garapa, que fica na própria fazenda em São Carlos. A localização permite que a cana seja rapidamente moída após a colheita, requisito crucial para garantir a durabilidade do produto na embalagem, explica a empreendedora.

Outra preocupação diz respeito ao impacto que a produção tem no meio ambiente. A fábrica foi projetada para ser sustentável e estar de acordo com a lei, garante a empreendedora. A palha da cana (que por lei não pode ser queimada) é usada para produzir lenha verde. Já a água usada no processo volta para o ambiente somente após tratamento adequado. No total, o negócio já recebeu R$ 3 milhões em investimento


Image title

Image title

Fonte: Com informações da Revista Exame