Itaipu bate próprio recorde mundial de geração de energia

Itaipu bate próprio recorde mundial de geração de energia

Produção anual seria suficiente para abastecer consumo do mundo por dois dias, diz porta-voz

A central hidrelétrica de Itaipu bateu nesta segunda-feira, dia 30, seu próprio recorde mundial de produção anual de energia elétrica ao atingir 98,2 milhões de megawatts/hora(MWh), informou a companhia em um comunicado. A produção supera a da represa chinesa de Três Gargantas, a maior do mundo, afirmou o superintendente de Operação da central, Hugo Zárate.

Em 2012, Três Gargantas registrou 98,1 milhões de MWh. Com 32 turbinas, a represa chinesa fica sobre o rio Yang-Tsé, de maior potencial energético.

Com 20 gigantescas turbinas (de 3.800 toneladas cada), Itaipu chegou a seu pico máximo de produção nesta segunda, dia 30, equiparando-se ao nível de 31 de dezembro de 2012, com um total de 98,2 milhões de MWh. Com isso, quebra por dois anos seguidos seu próprio recorde anterior, que datava de 2008, com 94,6 milhões.

Para 31 de dezembro de 2013, espera-se uma geração acumulada de cerca de 98,5 milhões de MWh. A potência instalada de Itaipu é de 14 mil MW, enquanto a da asiática é de 22.400 MW.

"Nesses tempos de crise energética, fazendo um paralelo, a produção anual de Itaipu seria suficiente para abastecer o consumo do mundo por aproximadamente dois dias", disse um porta-voz da entidade pelo lado paraguaio, Alfredo Cantero, em conversa com a AFP.

A diferença na produção de ambos se deve à diferença na regularidade do caudal dos dois rios, explicou Zárate. O rio Paraná, que nasce no Brasil e desemboca no rio da Prata e é o segundo mais extenso da América do Sul, corre rápido sobre um leito rochoso de basalto no trecho da hidrelétrica. Durante o ano, há pouca variação no volume. Já o rio Yang-Tsé registra variações bastante pronunciadas, com grande volume em épocas de desgelo e muito baixo na temporada de inverno.

Itaipu fornece energia limpa e renovável para os territórios brasileiro (16,9%) e paraguaio (75%).

Fonte: Terra, www.terra.com.br