Juro de compra parcelada pode chegar a 6%

Consultores alertam para armadilhas embutidas nas ofertas das grandes redes

Tentadores por oferecerem vantagens no pagamento das compras, os cartões das lojas são um perigo para quem não sabe administrar suas finanças pessoais. O R7 conversou com alguns consultores que explicaram as armadilhas envolvidas nessas operações. Todos avisam: não compre nada parcelado com juros. As redes de lojas de roupas mais populares do país – C&A, Renner, Riachuelo, Marisa e Pernambucanas – oferecem cartão da marca com facilidades para pagar as compras. Além de vantagens como pagamento adiado da primeira parcela, as compras às vezes podem ser parceladas em até oito vezes. Observando as condições oferecidas por cada loja, o consumidor pode analisar em até quantas vezes vale a pena parcelar. Uma compra de R$ 300 parcelada em oito vezes sai por R$ 363,50 na Riachuelo e por R$ 364,40 na Renner, por exemplo. O professor de finanças da USP (Universidade de São Paulo), Keyler Rocha, não acha um bom negócio pagar em mais de cinco vezes nessas redes. Ele explica que as lojas oferecem boas condições para o primeiro pagamento, além da isenção de juros nas primeiras cinco parcelas. Para Rocha não vale a pena pagar R$ 63,50 a mais para ter o valor das parcelas reduzidas em apenas R$ 15 – que passam de R$ 60 sem juros para R$ 45 com juros. Essa alternativa só valeria a pena se o parcelamento em oito vezes cobrasse juros a partir do sexto mês. - O cliente da loja deve sempre usar o máximo de benefícios sem juros. É mais fácil fazer em cinco vezes sem juros e depois pedir um empréstimo ao banco para ter as contas mais folgadas. O economista e professor Francis Brode Hesse, que também faz palestras sobre finanças pessoais, diz que o consumidor deve insistir por um desconto ao pagar à vista, porque isso é mais vantajoso. - Algumas redes lucram com os juros, e não com o produto. Neste caso elas não costumam dar desconto para pagamento à vista, pois esse preço normalmente é o valor de custo e às vezes até um pouco subsidiado. Onde elas ganham é nos juros, que normalmente são bem maiores que os praticados pelo mercado em geral. São grandes financeiras disfarçadas de lojas. No entanto, o educador financeiro do Instituto DiSOP, Rogério Frutuozo Canaverde, faz um alerta: não existe compra parcelada com juros zero. - O valor do produto já está carregado com custos e juros do parcelamento.

Fonte: R7, www.r7.com