Lojas já repassam corte no IPI da linha branca e preços caem

Lojas já repassam corte no IPI da linha branca e preços caem

Lojas e indústrias projetam reaquecimento do consumo na linha branca no Natal e esperam crescimento de 5%.

Horas depois de o governo ter anunciado, ontem, o corte no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de geladeiras, lavadoras e fogões, grandes redes varejistas começaram a repassar integralmente o benefício para o consumidor. A redução do imposto deve impulsionar as vendas do Natal, mas o foco da medida é garantir que a atividade continue aquecida no primeiro trimestre de 2012, concordam fabricantes e varejistas.

"A curva de vendas estava diminuindo ao longo do ano", afirma Lourival Kiçula, presidente da Eletros, que reúne os fabricantes de eletrodomésticos. Em janeiro, a perspectiva era de que o ano terminasse com crescimento de 10% nas vendas desses itens. A previsão foi reduzida para 7%, passou para 4% e chegou até a se cogitar um empate. Agora, com as medidas anunciadas pelo governo, os fabricantes já falam num crescimento anual de 5% em unidades.

O Walmart, por exemplo, que tinha programado para ontem uma liquidação com redução de até 70% nos preços de vários itens, abriu as portas às 6h vendendo um refrigerador por R$ 1.198. Após o anúncio do governo, o preço caiu para R$ 1.078, conta o vice-presidente da rede, José Rafael Vasquez. "Foi um golpe de sorte", diz o executivo, ao comentar que a data da liquidação coincidiu com a redução do IPI.

Durante este fim de semana, a rede Extra, do Grupo Pão de Açúcar, vai reduzir o preço de alguns itens da linha branca em porcentuais superiores aos 10 pontos de corte do IPI. O preço de uma lavadora de nove quilos, por exemplo, terá corte de 18%. "Para fazer o consumidor realmente perceber as vantagens, procuramos oferecer algo a mais", diz o vice-presidente de Operações de Varejo, José Roberto Tambasco.

A Lojas Cem começa a repassar a redução do IPI a partir de hoje. Amanhã, inicia uma campanha de vendas na qual vai parcelar em até dez vezes sem juros as mercadorias com preço já reduzido por causa do IPI, conta o supervisor, José Domingos Alves.

Apesar de lojistas e indústrias negarem que estejam com estoques acima do previsto e que as vendas perderam o fôlego nos últimos meses, o corte do IPI veio em boa hora. "O impacto da medida vai ajudar o desempenho do Natal ser melhor do que previsto", prevê Roberto Fulcherberguer, vice-presidente da Globex, braço de eletrodomésticos do Grupo Pão de Açúcar. Ele conta que a empresa, que detém as bandeiras Casas Bahia, Ponto Frio e Extra Eletro, está "extremamente bem abastecida". No momento, ele não considera a possibilidade de ter uma corrida às indústrias para reforçar os estoques.

"Os estoques para o Natal estão nos revendedores", afirma Armando Valle Jr., vice-presidente da Whirlpool, dona das marcas Brastemp e Consul. Ele observa que a redução do IPI combinada com o corte do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre os financiamentos vai potencializar as vendas.

Mas o executivo pondera que não acredita que essas medidas tenham o mesmo efeito no consumo registrado em 2009, quando o governo cortou pela primeira vez o IPI da linha branca para rebater os efeitos da crise financeira internacional. Naquele ano, houve um acréscimo médio de 18% no número de unidades vendidas pela indústria. Valle Jr. argumenta que, desta vez, a medida só terá duração por quatro meses, quando em 2009 teve validade de um ano.

Orçamento apertado. O presidente do Conselho do Programa de Administração do Varejo (Provar) da Universidade de São Paulo, Cláudio Felisoni, acrescenta outros fatores que podem atenuar o impacto do corte do IPI no aumento do consumo.Um estudo feito pelo especialista mostra que, no último trimestre de 2010, sobravam em média R$ 288 para as famílias paulistanas gastarem, após quitarem as despesas básicas. Hoje, essa cifra é 18% menor (R$ 234). Além disso, ele destaca que a inadimplência do consumidor registrada pelo BC nos últimos seis meses está 13% maior em relação a igual período de 2010.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br