Lupi prevê que trabalhadores formais somem 40 milhões em 2009

Neste ano, uma em cada cinco pessoas deverão ter trabalho formal.

  O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, previu nesta quinta-feira (6), ao anunciar os números da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2008, que os trabalhadores formais atingirão a marca de 40 milhões neste ano. "Em 2009, chegaremos à marca de 40 milhões de empregos formais no Brasil.

Só no governo Lula, foram gerados 10,7 milhões de empregos formais gerados no país. Tivemos o quarto melhor resultado em 20 anos", afirmou ele. No fim de 2008, o Brasil alcançou a marca de 39,44 milhões de empregos formais, entre celetistas e estatutários, o que representa um aumento de 1,83 milhão (4,88%) em relação ao fechamento de 2007, quando foram registrados 37,60 milhões de trabalhadores com vículos formais no país, segundo os dados da Rais.

De acordo com informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população brasileira é estimada em 191 milhões de pessoas. Deste modo, um em cada cinco pessoas do Brasil deverão ter, segundo o ministro Lupi, empregos formais neste ano. Rais Além dos empregos celetistas (com carteira assinada), os dados da Rais englobam ainda os trabalhos formais referentes a estatutários, avulsos, temporários e por prazo determinado, entre outros.

 Do total de 1,834 milhão de empregos gerados no ano passado, informou o Ministério do Trabalho, 1,69 milhão foram com carteira assinada (celetistas), e 135,9 mil de vínculos empregatícios estatutários (servidores públicos). O crescimento do emprego contribuiu, segundo informou o Ministério do Trabalho, para o ganho real de 3,52% do rendimento médio dos trabalhadores formais em 2008, passando de R$ 1.443,77 em dezembro de 2007 para R$ 1.494,66 no fim do ano passado. A Rais é o instrumento do governo federal utilizado para identificar os trabalhadores com direito ao recebimento do benefício do abono salarial. Em 2008, foram identificados 16,90 milhões de trabalhadores com direito ao benefício, contra 15,56 milhões em 2007.

Fonte: g1, www.g1.com.br