Mercado de luxo brasileiro deve faturar R$ 23,5 bilhões só em 2013

Mercado de luxo brasileiro deve faturar R$ 23,5 bilhões só em 2013

Desde 2006, o crescimento no setor é alto.

As perspectivas no setor de luxo brasileiro são boas. Com estimativa de fechar o ano com faturamento de R$ 23,5 bilhões (no ano passado, foi R$ 20,5 bi), o mercado já prevê crescimento para 2014: em torno de 10% a 15%.

Para os próximos seis anos, segundo o especialista na área Claudio Diniz, são bastante promissores os segmentos de hotelaria de luxo, gastronomia, aviação executiva, construção civil de alto padrão e o segmento náutico - este último, pouco explorado, apesar da riqueza da costa brasileira. A demanda de executivos por hoteis de luxo já vem crescendo no País, afirma Diniz. ?Tudo que é francês nós copiamos. Os europeus e os americanos querem algo que tenha o DNA do Brasil. O mundo quer uma marca brasileira de luxo que represente a história brasileira do luxo?, diz.

Desde 2006, o crescimento no setor é alto. Naquele ano, o faturamento era de R$ 8,4 bilhões, ultrapassou os R$ 12 bilhões em 2009 e saltou para R$ 18,5 bilhões em 2011. Consultores afirmam que o consumidor brasileiro aprendeu a usar produtos de luxo e se acostumou a ter acesso a produtos importados. Já é difícil hoje quererem voltarem atrás e deixar de consumir essas mercadorias. Mas, para Diniz, "o mercado de produtos importados de luxo no Brasil é embrionário?, afirma Diniz. Ele explica que somente em 1992 as importações foram abertas no Brasil. ?Isso tem 21 anos, é muito recente?.

A maison Chanel, por exemplo, aterrissou em solo brasileiros em 2009, há apenas quatro anos. ?O prazo de construção de um país nesse setor é de 50 a 100 anos?, destaca. Segundo Diniz, as marcas de luxo que chegam em São Paulo veem que o Brasil apresenta outras regiões com mercado. Entre elas, se destacam Rio de Janeiro, Brasília, Recife e Curitiba.

Moda

O mercado de luxo no mundo representa aproximadamente um trilhão de euros - mais de R$ 3 trilhões. Mundialmente, a moda representa 27% do setor, o que significa aproximadamente 214 bilhões de euros no consumo mundial - mais de R$ 665 bilhões.

Um dos nichos que sempre cresceu é o mercado de moda e acessórios, afirma a professora da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, Roseli Porto. Ela destaca que, para brasileiros que viajam bastante, é muito mais barato comprar esse tipo de produto lá fora. ?Como não dá para viajar o tempo inteiro, ter essas marcas aqui no Brasil facilita muito?, destaca. A professora explica que, com operações de varejo de marcas como a francesa Sephora, por exemplo, são trazidas para o Brasil 10 marcas de luxo de maquiagem. Os produtos importados de maquiagem chegam com 80% a mais no valor do preço exercido no exterior. ?Lá fora um um batom MAC, por exemplo, custa US$ 20 (R$ 46). Se você for numa loja da MAC que tem no Shopping Morumbi, esse batom sai por aproximadamente R$ 80?, cita.

A estimativa é que o segmento de luxo cresça de 10% a 15% em geral, tanto nos produtos importados quanto nacionais, segundo o gestor institucional da MCF Consultoria, Guilherme Kossmann. Ele afirma que cerca de 50% do mercado de luxo brasileiro é representado pela moda e por acessórios. ?As marcas de produtos de luxo que você pode trazer na mala estão tentando baixar os preços no Brasil, o que é um pouco difícil devido à nossa carga tributária impraticável?, critica. Entre os produtos em que não se pode trazer dentro das malas, brinca, são os carros. Segundo uma pesquisa do Digital Luxury Group, um Porsche Carrera Conversível é comercializado nos Estados Unidos por volta de US$ 96 mil (R$ 221 mil). Aqui no Brasil, um exemplar pode custar aproximadamente US$ 355 mil (R$ 817 mil).

Classes A e B

Um estudo divulgado pela FGV-EAESP afirma que o mercado das classes mais altas crescerá ainda mais do que o da classe média. Para o Brasil, estima-se uma expansão desse mercado de 25% entre 2013 e 2017. Num panorama de curto prazo, as classes A e B devem crescer 29% até 2014, chegando a 29 milhões de pessoas.

Fonte: Terra