Mercado reduz previsão para PIB e eleva para inflação

PIB deve crescer 4% neste ano, menos que o anunciado na semana passada

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia neste ano e no próximo foi revista para baixo mais uma vez, segundo o boletim Focus - documento semanal preparado pelo Banco Central a partir de consultas a especialistas do setor privado -, divulgado nesta segunda-feira (28). As estimativas de inflação, por sua vez, subiram.

Para o PIB, a previsão agora é de crescimento de 4% - contra 4,03% no documento divulgado na última segunda-feira (14). Para 2012, por sua vez, a estimativa é de alta de 4,30% - abaixo dos 4,40% na previsão anterior.

A previsão para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), usado pelo BC como meta de inflação, voltou subiu, indo para 6% - na semana passada, o indicador estava em 5,88%. A meta de inflação estabelecida pelo governo para 2011 é de 4,5%, com dois pontos de tolerância. A meta terá sido atingida, portanto, se a inflação medida pelo IPCA ficar entre 2,5% e 6,5% em 2011.

No último dia 22, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, disse que é preciso conter o ritmo do mercado interno para segurar as pressões inflacionárias. Segundo ele, há pressões dos preços das matérias-primas e do setor de serviços, mas que o atual cenário externo torna mais complexa a análise do cenário prospectivo de inflação.

A presidente da República, Dilma Rousseff, também se mostrou preocupada com o índice. No último dia 17, durante evento em Uberaba (MG), ela afirmou que a melhor maneira de combater a inflação é fazer o país crescer, aumentando a oferta de serviços. Dilma disse ainda que o BC tem autonomia para agir.

Já a previsão para o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), usado no reajuste de contratos de aluguel, ficou em 6,99%, voltando a subir após ter interrompido na semana passada uma sequência de nove altas seguidas.

Para o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), que apura os preços no município de São Paulo, a estimativa ficou em 5,53%, acima dos 5,51% vistos na semana passada.

A expectativa para a taxa básica de juros, a Selic, ficou em 12,5% para 2011, inalterada em relação à estimativa de uma semana antes; em 2012, a taxa deverá ser de 11,25%.

Fonte: R7, www.r7.com