Mercosul e União Europeia discutem amanhã o acordo de livre comércio

Segundo o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo, a oferta do Mercosul está em fase “finalíssima”.



Há 14 anos na busca de um consenso, o Mercosul e a União Europeia podem, finalmente, trocar propostas para um acordo de livre comércio. Nesta sexta-feira (21), em Bruxelas, técnicos europeus e sul-americanos se reúnem para reavaliar a questão em um cenário de mais otimismo ? e o encontro poderá ser o último passo antes da troca de propostas de alto nível. Segundo o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo, a oferta do Mercosul está em fase ?finalíssima?.

?Brasil, Uruguai, Paraguai e Argentina já definimos as nossas propostas individuais, que são bastante ambiciosas, e estamos na fase de cruzamento de ofertas para a apresentação de oferta comum. Haverá um encontro técnico importante em que as duas partes dirão uma à outra qual o formato de sua oferta, sem descer a pormenores", disse Figueiredo, em uma coletiva de imprensa em Lisboa, Portugal, onde está em visita oficial.

? As duas ofertas entrarão, aí sim, numa fase final de concretude para que possamos trocar ofertas o mais rápido possível.

Lucro dos bancos passa de R$ 60 bi em 2013, diz BC

Por meio da assessoria de comunicação, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior informou que, após os blocos trocarem propostas, há um período para análise e discussão internas.

Depois, possivelmente, acontecerá uma nova rodada de negociações. Há uma expecativa do governo de que o processo possa ser concluído até junho deste ano.

A União Europeia e o Mercosul iniciaram em 2000 as negociações para um acordo comercial. O diálogo foi suspenso em 2004 e retomado somente em 2010.

Desde então, tem havido uma série de encontros no Mercosul para harmonizar a oferta entre os países-membros. O principal obstáculo a um entendimento tem sido a Argentina. A Venezuela, admitida recentemente no bloco, ainda está se adequando à tarifa comum e por isso não participa das trativas com os europeus.

Fonte: r7