Milionárias, contratações de Cristiano Ronaldo e Kaká geram críticas na Europa

Milionárias, contratações de Cristiano Ronaldo e Kaká geram críticas na Europa

Os planos do presidente Florentino Perez de formar uma segunda edição do time de "galáticos" no Real Madrid já começa a gerar polêmica. Nesta quinta-feira, três dias depois de anunciar a contratação de Kaká, por 65 milhões de euros, o clube espanhol anunciou que o Manchester United aceitou negociar o português Cristiano Ronaldo, atual dono do prêmio de melhor do mundo. A negociação, de 93 milhões de euros (cerca de R$ 257 milhões), é a mais cara da história, e já é criticada por dirigentes e políticos europeus.

Um dos que foi contra os altos valores da transferência, que ainda não foi assinada, é o presidente da Uefa, Michel Platini. O ex-jogador francês classificou o negócio entre o Real Madrid como "incrível".

"Parece-me incrível a sucessão de transferências, no momento em que o futebol europeu enfrenta desafios financeiros perigosos", disse o dirigente, em entrevista à AFP, nesta quinta-feira.

TRANSFERÊNCIAS VIRAM POLÊMICA

O ministro do Esporte do Reino Unido, Gerry Sutcliffe, manifestou preocupação semelhante à de Platini. Ele inclusive aconselhou aos clubes ingleses a não tentarem equiparar suas contratações às que vêm sendo realizadas pelo Real.

"Nós estamos preocupados com a sustentabilidade do futebol. O esporte é um grande negócio, mas temos de garantir que os clubes não fiquem na parede", afirmou Sutcliffe, sobre a possibilidade de um grande aumento nas dívidas. "Há muitos assuntos a serem discutidos sobre a transparência na gerência dos times, para que o futebol possa seguir firmemente."

Segundo Platini, a Uefa está trabalhando para iniciar o mais rápido possível um sistema junto aos clubes de limpeza das dívidas, em um processo transparente e sólido. "Esta a principal prioridade da Uefa", afirmou o dirigente.

Quem destoou do discurso de Platini e Sutcliffe foi o técnico do Manchester City, outro clube adepto a contratações astronômicas, Mark Hughes. "Está é uma quantia significativa de dinheiro. Acho que ela pode movimentar o mercado", afirmou ele. "O Manchester United também deve sentir que está fazendo um grande negócio".

Outra realidade

Sem Kaká, o vice-presidente do Milan, Adriano Galliani, culpou as diferentes condições entre os clubes para que o Real Madrid possa gastar tanto em contratações. Segundo ele, os aspectos fiscais na Espanha facilitam para que os clubes possam investir mais.

OPINIÃO

"O Real Madrid agora precisa do principal ingrediente do marketing esportivo:

a vitória."

"Calculei hoje que o Milan de hoje, com o esquema fiscal da Espanha, teria 42 milhões de euros em recursos a mais. Isso alteraria toda a nossa política", afirmou Galliani, que viu Kaká partir para a Espanha. O dirigente garantiu "100%" que Alexandre Pato permanece na equipe italiana para a próxima temporada.

Já Florentino Perez, responsável pela formação do time de "galácticos" que contou simultaneamente com Ronaldo, Zidane, Figo e Beckham, e que retornou há menos de um mês à presidência do clube espanhol, dá sinais de que, após contratar os últimos dois vencedores do prêmio de melhor do mundo da Fifa, não vai parar por aí. O francês Ribery, do Bayern de Munique, e o atacante David Villa, do Valencia, seriam os próximos alvos.

Fonte: AE