Ministério da Educação quer acabar com exigência de fiador para inscritos no Fies

Ministério da Educação quer acabar com exigência de fiador para inscritos no Fies

Ministro propôs fundo para que Fies abandone cobrança já na próxima edição

O MEC (Ministério da Educação) quer acabar com a exigência de fiador para quem se inscrever no Fies (Financiamento Estudantil) a partir da próxima edição do programa. Atualmente, os estudantes que quiserem obter o crédito devem se apresentar em grupo, como "fiadores solidários" uns dos outros, ou ter um garantidor convencional. O Fies serve para financiar parcial ou totalmente a mensalidade de universitários em faculdades particulares. A proposta do ministro Fernando Haddad é que seja criado um fundo para que não haja mais a cobrança. Ele deve ser mantido com 10% do que cada faculdade recebe das mensalidades pagas pelo Fies - pelo menos 473 mil contratos estavam ativos na última contagem, segundo o ministério. Novas inscrições do Fies devem começar nas próximas semanas, quando a novidade deve ser adotada. Ela não vai incidir sobre quem já financiou o curso universitário em outros anos, apenas para os contratos novos. Outras mudanças Outra alteração prevista é que o prazo para pagar a dívida do Fies vai ser ampliado. Hoje, os candidatos têm oito anos em média para fazer o pagamento. Com a mudança, eles passarão a ter doze anos ou mais para isso, dependendo do tempo em que a graduação dure. Isso porque o prazo para quitar a dívida passar a ser o tripo da duração do curso universitário, e não mais o dobro. A medida, que consta em lei, também passa a valer já na próxima abertura de inscrições para o Fies. Também houve queda de juros - de 6,5% para 3,4% ao ano, para quem adere ao Fies. A última mudança significativa que deve vigorar é que estudantes que trabalham como professores da rede pública de ensino ou em programas de saúde - médicos, enfermeiros e outros - poderão abater suas dívidas com trabalho. O desconto será de 1% da dívida ao mês para bacharéis em medicina que trabalham no Programa da Saúde da Família e para os docentes. Devem ser reservadas 75% desses benefícios para profissionais que estão nas regiões Norte e Nordeste do país. O MEC prevê oferecer, neste ano, 200 mil vagas no Fies para estudantes que quiserem aderir à linha de crédito. Entenda o que é o Fies O Fies, um programa do governo federal criado em 1999, oferece crédito para estudantes em instituições particulares de ensino superior. Para conseguir o benefício, é necessário que o aluno já esteja matriculado em uma das 1.459 universidades, centros universitários e faculdades cadastradas no sistema. Além disso, é pré-requisito que a graduação tenha avaliação positiva pelo MEC. No caso de estudantes que já são bolsistas parciais, o Fies financia toda a parcela da mensalidade não coberta pelo benefício, nos casos abaixo: - Quem recebe bolsa de 50% do ProUni (Programa Universidade para Todos). - Estudantes com desconto em cursos prioritários, que incluem as licenciaturas em química, física, matemática, biologia, engenharia, medicina, geologia, cursos de tecnologia constantes do Catálogo Nacional de Cursos Superiores em Tecnologia. - Beneficiários de bolsas parciais matriculados em cursos que tenham obtido conceito cinco ou quatro na última edição do Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes).

Fonte: r7