Novas ações da Petrobras estreiam com leve baixa

Novas ações da Petrobras estreiam com leve baixa

Expectativa dos analistas, no entanto, é de que papéis da estatal agitem o mercado

A BM&FBovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) opera em leve baixa nesta segunda-feira (27), após abrir em alta. As novas ações da Petrobras estrearam hoje na Bolsa e operam em leve queda. Analistas, no entanto, esperam que os papéis da empresa agitem o mercado brasileiro. Às 10h57 (horário de Brasília), o Ibovespa (índice referencial do mercado) recuava 0,25%, indo para 68.024 pontos.

As ações ordinárias da Petrobras (ON, com direito a voto nas assembleias da companhia) estavam cotadas a R$ 29,45, em baixa de 0,67%. Já as preferenciais (PN, sem direito a voto, mas com preferência na distribuição de lucros) eram vendidas a R$ 26,22, em queda de 0,30%.

O dólar comercial, por sua vez, abriu o dia estável, negociado a R$ 1,71 - mesmo valor do fechamento da moeda norte-americana na sexta-feira (24).

Com o fim da capitalização da estatal, que vinha travando os negócios há um bom tempo, especialistas apostam em um desempenho positivo para os papéis da companhia.

Na semana passada, por duas sessões seguidas, o índice recuperou níveis anteriores, mas não conseguiu se firmar. Especialistas ponderam que, a proximidade do fechamento de trimestre podem trazer mais oscilação aos negócios.

Parte do desempenho local estará ligado, também segundo analistas, ao comportamento dos negócios no exterior. Diante de uma agenda carregada de indicadores econômicos relevantes nos EUA até sexta-feira (1º), os mercados operam em compasso de espera, revestidos de cautela.

Câmbio

O mercado de câmbio não dá sinais de que haverá mudanças hoje em relação ao ritmo visto nas últimas semanas. Segundo o boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (27) pelo BC, após três semanas seguidas de queda na previsão para o patamar do câmbio no fim do ano, o levantamento mostrou estabilidade nas estimativas para 2010 e 2011. A estimativa para o dólar no fim de dezembro do próximo ano seguiu em R$ 1,80 e, para o fim de 2010, em R$ 1,75.

A previsão para o PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas por um país) neste ano chegou a 7,53%, passando, assim, do resultado de 1985 (7,8%). Para a inflação, por sua vez, todas as previsões para os principais indicadores foram revistas para cima.

Fonte: g1, www.g1.com.br