Poupança nova perdeu para inflação; antiga e dólar ganharam

Poupança nova perdeu para inflação; antiga e dólar ganharam

Inflação oficial pelo IPCA, do IBGE, fechou o ano passado em 5,91%.

O ano de 2013 não foi, de forma geral, positivo para os investidores. Com exceção do dólar, que subiu 15%, foram os investimentos mais conservadores, como a poupança antiga e alguns títulos do Tesouro Direto, que garantiram leves ganhos sobre a inflação, que fechou o ano passado em 5,91% ? variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta sexta-feira (10) pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatítica (IBGE). A própria poupança, com as regras novas, perdeu para a inflação no ano passado.

Um levantamento feito por economistas a pedido do G1 aponta que, em 2013, a poupança rendeu 6,3% pelas regras antigas (alteradas em maio de 2012) e 5,8% pelas novas (para aplicações feitas a partir de maio daquele ano). As Letras Financeiras do Tesouro (LFT), um dos títulos do Tesouro Direto, com vencimento em 2017, renderam 7,06%, já com o desconto do Imposto de Renda.

Na outra ponta, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&F Bovespa), fechou o ano com perda acumulada de 15,5%. O ouro caiu 17,4% em 2013 (preço do contrato futuro padrão da BM&F Bovespa, considerando a barra de 250 gramas), de acordo com dados da Pioneer Corretora.

O ano passado também foi marcado pelo retorno da alta da taxa básica de juros (Selic) à economia brasileira, mas com a economia mundial ainda frágil por resquícios da crise financeira mundial de 2008, o que trouxe volatilidade a investimentos de maior risco, como ações.

"Sempre que a gente tem um cenário de alta de inflação, isso complica mais a vida do investidor. Então, para você conseguir um ganho real, precisa assumir mais riscos. Quem estava em bolsa não conseguiu. Quem estava em um título pré-fixado [do Tesouro Direto] também não conseguiu, por conta do aumento da taxa de juros. Quem conseguiu foi quem entrou na poupança, pouca coisa; quem estava em uma LFT [outro título do Tesouro Direto] ou em um Fundo de Investimento DI com uma baixa taxa de administração", explicou o diretor da corretora Easynvest, Amerson Magalhães.

Tesouro Direto

Sem altos riscos, a LFT é um título do Tesouro Direto adequado para quem tem o perfil conservador, avalia Magalhães. O rendimento de 7,06% em 2013 é referente a títulos com vencimento em 2017. Isso porque o governo emite diversos tipos de títulos com vencimentos em anos variados e rendimentos diferentes.

"A LFT acompanha a Selic. A característica dela é acompanhar a taxa de juros. É menos arriscada (....). O risco que se corre é ter a inflação muito alta e a taxa de juros não acompanhar a inflação", afirmou.

Magalhães explicou, contudo, que há outros títulos do governo adequados para diferentes perfis. Um deles é indicado para se proteger da inflação, como a NTN-B (Notas do Tesouro Nacional ? Série B). "Essa é a melhor forma de você se proteger da inflação hoje. Ela paga a inflação mais a taxa de juros, que flutua bastante".

O especialista salientou, contudo, que, no caso dos títulos do Tesouro Direto, o recomendado é só retirá-los no ano do vencimento. Na quinta-feira (9), por exemplo, a NTN-B com o menor prazo de retirada oferecido pelo governo era de 2020. Quem comprar e resolver tirar antes, porém, pode se dar mal. No ano passado, por exemplo, a NTN-B com vencimento em 2017 fechou com recuo de 1,6%.

Poupança

O investidor que resolveu deixar o dinheiro na poupança em 2013 teve leves ganhos com relação à inflação. O rendimento foi de 6,3% pelas regras da poupança antiga (para aplicações feitas até 3 de maio de 2012) e de 5,8% pelas novas (para aplicações a partir de 4 de maio de 2012).

Com a mudança das regras de remuneração da poupança, o rendimento passou a ser atrelado aos juros básicos da economia, rendendo 70% da aplicação, mais a Taxa Referencial (TR), quando a taxa básica fixada pelo Banco Central estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano. Para aplicações feitas antes de 4 de maio de 2013, ou quando os juros da economia estiverem superiores a 8,5%, a poupança rende de acordo com a regra antiga: 6,17% ao ano, mais a variação da TR. A TR é uma taxa calculada a partir da média de rendimentos dos Certificados de Depósito Bancário (CDB).

Fundos

Em relação aos fundos de investimentos, os economistas alertam ser difícil apontar qual foi o rendimento, pois eles variam muito de acordo com a taxa de administração cobrada, o tipo de fundo e o valor aplicado.

Segundo Fabio Gallo Garcia, professor de finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV), fundos DI (atrelados ao Certificado de Depósito Interbancário, o CDI), por exemplo, apontaram um rendimento líquido (já com o desconto do Imposto de Renda) de 6,29% no ano passado, em média.

"Quem aplicou em CDB ou Fundos DI com baixa taxa de administração e volumes grandes de dinheiro teve ganhos superiores à caderneta de poupança antiga, aí depois veio [em ganhos] a caderneta de poupança nova", explica Garcia. No caso do CDB, para quem investiu mais de R$ 100 mil, por exemplo, o ganho médio foi de 6,29%, segundo o professor da FGV. "Agora, fundos de renda fixa e outros tipos de fundo com taxa de administração mais alta caíram na faixa de 5,2%", aponta.

Por conta da grande diferença entre os rendimentos dos fundos, os economistas alertam que o investidor deve pesquisar bastante o banco e as taxas antes de fazer o investimento. "Nos fundos de investimento em renda fixa, há uma discrepância muito grande, porque depende da taxa de administração que o fundo cobra (...). Às vezes, os aplicadores não dão muita atenção à taxa de administração", diz o matemático José Dutra Vieira Sobrinho, conselheiro do Conselho Regional de Economia (Corecon) de São Paulo.

FGTS

Sobre o rendimento do FGTS, que fechou 2013 em 3,15% (bem abaixo da inflação), o matemático Dutra salienta que, de fato, o resultado não foi bom. "Aplicadores do FGTS, como sempre tem acontecido, claro que tiveram perda real considerável", afirma.

Por conta desse cenário, Magalhães, da corretora Easynvest, sugere que, quando possível, seja usado o dinheiro do fundo para aquisição de um imóvel, que é a única forma de resgatar o FGTS sem que a pessoa precise se aposentar ou ser demitida do emprego.

Fonte: G1