Preço da gasolina deve diminuir nesta terça-feira

Preço da gasolina deve diminuir nesta terça-feira

Consumidor encontrará litro até R$ 0,08 mais em conta por causa de redução de imposto

 Uma semana após entrar em vigor a redução de 25% para 20% a mistura de álcool na gasolina, o brasileiro deverá encontrar preços mais baratos quando abastecer o carro. Os postos de gasolina que compraram o produto antes do anúncio da diminuição da Cide (Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico), tributo incidente sobre os combustíveis, vão rever os preços, o que deve resultar em reduções a partir desta terça-feira (9).

O litro da gasolina deve cair R$ 0,08 nestes postos, valor correspondente à diferença do volume de impostos no combustível, que recuou de R$ 0,23 para R$ 0,15. Segundo o presidente do Sincopetro-SP (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo), José Paiva Gouveia, a queda no preço da gasolina se deve exclusivamente à redução da tributação do produto e está restrita a apenas alguns postos.

- Houve uma falha grande do governo porque ele não tirou a Cide da gasolina quando anunciou a redução da mistura do álcool na gasolina. Alguns postos receberam o produto com preço mais alto e repassaram ao consumidor. A partir de amanhã, teremos uma redução nos preços nestes postos que subiram a gasolina. Gouveia insiste que essa diminuição da quantidade de álcool na gasolina não traz efeitos práticos porque a “economia é de apenas 200 milhões de litros [por mês], o que é incipiente”.

O presidente do Sincopetro voltou a afirmar que “o preço só deve voltar ao normal com o aumento dos estoques, o que só ocorrerá com a safra de cana-de-açúcar em abril”. O Brasil consome cerca de 3 bilhões de litros ao mês, ou seja, a economia não chega a 10% do total. Embora irrisório, o aumento do volume de álcool disponível no mercado interno segurou os preços na última semana.

O preço médio do etanol no Brasil se manteve estável – passou de R$ 1,963 na semana antes da medida para R$ 1,968 na última medição da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Fonte: R7, www.r7.com