Segundo IBGE, prévia da inflação oficial desacelera no mês de julho

A taxa ficou em 0,17% em julho, depois de avançar 0,47% no mês anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Os transportes e os alimentos ficaram mais baratos e influenciaram o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), conhecido como prévia da inflação oficial. A taxa ficou em 0,17% em julho, depois de avançar 0,47% no mês anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No ano, de janeiro a julho, o IPCA-15 ficou em 4,17% e, em 12 meses, em 6,51%. O número ainda supera, por pouco, o teto da meta de inflação do Banco Central, de 6,5%. Em julho de 2013, a prévia da inflação oficial havia ficado em 0,07%.

O IPCA-15 é divulgado mensalmente e calcula a variação média de preços de produtos e serviços em 11 regiões metropolitanas do país. A diferença entre esse índice e o IPCA, que é a taxa oficial de inflação do Brasil, está no período de coleta dos preços. Em vez de analisar os valores dentro do mês de julho, por exemplo, o IPCA-15 verifica os preços do dia 12 de junho ao dia 14 de julho. Por isso, é considerado uma prévia da inflação mensal.

Entre as despesas analisadas pelo IBGE no período, que coincide com a Copa do Mundo, as relativas a transportes exerceram a principal influência para o resultado do IPCA-15 no mês de julho. Depois de subir 0,50% em junho, o índice caiu 0,85% no mês seguinte.

A variação de preços de alimentação e bebidas também contribuiu para a desaceleração do IPCA-15, ao passar de um avanço de 0,21% para uma baixa de 0,03%. Ficaram mais baratos os preços de, por exemplo, batata-inglesa (-13,23%), tomate (-11,63%), feijão-fradinho (-8,04%), cenoura (-7,67%) e feijão-carioca (-7,44%).

Na contramão, apresentaram maiores avanços os preços relativos a habitação (de 0,29% em junho para 0,48% em julho) e despesas pessoais (de 1,09% para 1,74%).

Em habitação, as principais pressões partiram de energia elétrica (1,35%), condomínio (0,98%) e aluguel (0,92%). No caso das despesas pessoais, a maior influência veio da alta de 28,63% nas diárias de hotéis, influenciada pela Copa.

Na região metropolitana de Fortaleza, o aumento foi de 57,95% no valor das diárias, seguida de Brasília, onde os preços subiram 45,74%.

Na análise da inflação por regiões, o IBGE mostra que o maior índice foi o de Recife (0,71%) puxado pela alta de 34,71% nas tarifas de hotéis. O menor, por outro lado, foi o de Belém (-0,13%) onde os alimentos consumidos em casa caíram 1,13%.

Fonte: G1