Produção de mel no Piauí deve chegar a até cinco mil toneladas

Estado é o maior exportador de mel do Nordeste

Em janeiro deste ano, o Piauí foi o maior exportador de mel do Nordeste. As exportações piauienses do produto foram de mais de US$ 365 mil. Na produção interna, o Estado ocupa a terceira posição, ficando atrás apenas de São Paulo e do Rio Grande do Sul, primeiro e segundo lugares, respectivamente.

A procura pelo mel piauiense continua intensa. A perspectiva para os próximos meses é de que o Piauí produza cerca de cinco mil toneladas do produto, sendo a maior safra do Estado. A certificação orgânica do mel piauiense é o principal fator de valorização do produto no mercado internacional, tornando o índice de exportação bastante elevado em relação a outros Estados do país.

A certificação influencia na preferência, pois agrega valor, reafirmando a qualidade do produto. Outro motivo que também favorece a escolha do mel piauiense é a conquista da certificação de Comércio Justo, concedida pela certificadora alemã, líder no mercado, Flor-Cert. Por conta desse diferencial, o mel produzido no Piauí é exportado com preço 15% acima do mercado. Essa conquista foi graças ao empenho dos produtores ligados à Central de Cooperativas Apícolas do Semi-Árido Brasileiro, Casa Apis, com sede no município de Picos, no sul do Piauí. A entidade foi a primeira do setor, na América Latina, a obter certificação em Comércio Justo.

"Com as certificações, conseguimos aumentar o valor de comercialização do mel piauiense e ter saldo positivo nas exportações. Fizemos todo um trabalho junto aos produtores, incentivando a melhoria da produção para a conquista de novos mercados. E o resultado é mais que satisfatório", afirma o diretor superintendente do Sebrae no Piauí, Mário Lacerda. O principal destino do mel brasileiro, no primeiro mês deste ano, foram os Estados Unidos, que absorveu 43,1% das exportações, gerando receita da ordem de mais de US$ 1,5 milhões. O Nordeste respondeu por 41,37% das exportações brasileiras com US$ 2,29 milhões arrecadados com a exportação de mel.

Por conta da grande demanda pelo mel piauiense e da busca constante dos produtores por mais qualificação, o Sebrae no Piauí, juntamente com as cooperativas apícolas, está trabalhando novos projetos e ações para este ano. A criação de um Banco de Dados do Projeto Apis, envolvendo os municípios de Picos, São Raimundo Nonato e Simplício Mendes; abertura de novos mercados para produção através da participação em feiras e eventos do setor; definição de um plano de marketing para essa cadeia produtiva são algumas das atividades previstas para 2011.

Também serão realizadas missões técnicas para centros de referência em produção de mel, além do mapeamento e recuperação das áreas de produção orgânica. A intenção é ter um melhor controle e promover o desenvolvimento da apicultura não só no Piauí, mas no Nordeste como um todo.

A iniciativa do Sebrae no Piauí conta com o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento, BNDES; Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba, Codevasf; Governo do Estado, entre outros parceiros.

Fonte: Portal Meio Norte, www.meionorte.com