Reclamações marcam dia de compras da Black Friday no Piauí e restante do país

Apesar de questionamentos muitas lojas em todo o Brasil desovaram estoques antigos com promoções e liquidações.

A sexta-feira (28) aqueceu o comércio em Teresina e em outras capitais do país. Bom ou ruim, a Black Friday, de acordo com gerentes animados, trouxe benefícios para o comércio local, porém pode trazer prejuízos para alguns consumidores, que só pelo fato de verem o nome "promoção" se animam e vão às compras. De acordo com alguns canais de reclamação, como o site Reclame Aqui, houve mais  reclamações que o normal de consumidores Brasil afora.


Entre elas estava a possível "maquiagem de preços", quando dias antes do evento as lojas aumentavam os preços dos produtos para reduzi-lo na Black Friday. Outras reclamações feitas nesse dia, se referiram às compras pela internet, que denunciaram o alto valor de frete, quedas de sites, mudança de preços e produtos indisponíveis.

Um cosumidor Júlio Silva estava há semanas em busca de um video game e comprou ontem, após ver os descontos. Contudo, ele relata as dificuldades e promoções enganosas que constatou nas lojas pela internet. "Eu notei preços diferentes em alguns poucos produtos e em algumas poucas lojas. Em alguns, o frete estava quase de graça, um dos sites estava lento, mas o preço do produto que eu queria estava o mesmo.

Em um dos sites dizia que produto que era de R$ 1.200 estava de R$ 795, mas era o mesmo preço das últimas semanas, que eu já vinha pesquisando", relata. No ano passado, houve casos ainda de consumidores que não receberam o produto, ou receberam com problemas. Em casos em que o consumidor se sentir lesado, a reclamação deve ser feita junto ao Procon. Em Teresina, para qualquer reclamação, o consumidor deverá ir à sede do Procon, que fica na Rua Álvaro Mendes, 2294 - centro, ou ligar para (86) 3221-5848. Mas muitas lojas em todo o Brasil  realmente praticaram descontos em coleções antigas e estoque altos de alguns produtos.

Curta o Portal Meio Norte no facebook

 

 

Fonte: Virgínia Santos e Daniely Viana - Jornal MN