Anatel: Serviço de telefonia móvel não teve melhora "substancial"

Após suspensão de venda de chips, empresas divulgaram investimentos. Ainda "precisa muito" para alcançar nível de qualidade nos serviços, disse

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, disse nesta terça-feira (11) que ainda não houve uma melhora "substancial" da qualidade dos serviços de telefonia móvel nos três primeiros meses de implantação do plano de investimento para melhoria do sistema. A exigência foi feita pelo órgão em julho a todas as operadoras quando suspendeu a venda de novos chips de celular da TIM, Oi e Claro.

"Sentimos que ainda não podemos afirmar que o serviço está com qualidade melhorada de forma significativa, precisa muito ainda para que haja melhora subtancial para que a gente alcance nível de qualidade nos serviços", afirmou Rezende em audiência pública na Câmara dos Deputados.

Ele destacou que as prestadors precisam investir mais pra que os usuário percebam melhoras substancias nos serviços. "Vamos continuar perseguindo isso, é um trabalho que a Anatel vai continuar seguindo. É óbvio que em três meses não podemos espera mudança radical", disse.

Segundo o presidente da Anatel, a agência viu pequena redução do número de reclamações por queda de chamadas nas três operadoras que tiveram as vendas interrompidas, disse Rezende. "Em junho houve pico e a situação está um pouco estabilizada, mas não signifca uma melhora como vamos perseguir", disse.

O maior problema, segundo ele, tem sido o índice de acesso à rede de dados, que está abaixo do estipulado pela Anatel.Para Rezende, ainda é preciso maior empenho das companhias para melhorar os indicadores de qualidade do serviço de dados, que ainda não atingiu o índice de 98% de eficiência. Nos planos de voz, a taxa de 95% de ligações completadas foi atingida em outubro, segundo ele.

"Precisamos urgentemente ampliar a estrutura de atendimento tanto de sites quanto de redes de longa distância. Hoje a nossa crise no sistema de celular não é derivada do serviço de voz, mas principalmente do serviço de dados. Ele é que está dando o impulso no serviço de telecomunicações e está ocasionando, em alguns momentos, excesso de ligações nas redes, princpalmente em horários de pico. Como são redes inteligentes, elas acabam derrubando ligações", disse.

O presidente da Anatel foi à Câmara dos Deputados para apresentar o resultado do plano de investimento cumprido pelas operadoras entre os meses de setembro a novembro.

Queda nas chamadas

"Não achamos que é uma solução, mas temos de proteger o usuário e é uma forma de penalisar as empresas, no sentido de que basta investirem em rede e não haverá queda nas chamadas", disse. A medida entre em vigor em 1º de março de 2013 e a agência não vai recuar, segundo ele.

A Anatel anunciou em agosto uma mudança no regulamento do Serviço Móvel Pessoal de telefonia. As chamadas de celular sucessivas com intervalo igual ou inferior a 120 segundos serão consideradas uma única chamada para efeitos de tarifação.

Fonte: G1