Sobe a venda de materiais de construção

Crescimento foi registrado nos últimos 12 meses, informa Anamaco.

As vendas de materiais de construção que tiveram o Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido cresceram 20% nos últimos doze meses, informou nesta terça-feira (11) a Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção), entidade que representa 138 mil lojas de material de construção no país.

O IPI reduzido para o setor completou um ano em 1º de abril e vigorará até o final de 2010. Nas lojas, informou a Anamaco, o cimento foi o produto desonerado o que mais teve procura, com crescimento de 25% no volume de vendas nos últimos doze meses. Em segundo lugar, vem o segmento de tintas, com aumento de 23% no volume de vendas, seguido por revestimentos cerâmicos (19%), argamassas (15%) e metais sanitários (12%).

Para a Anamaco, a redução do IPI foi uma das principais responsáveis pela recuperação do setor nos últimos doze meses. ?Iniciamos 2009 com uma retração nas vendas de 12% no primeiro bimestre e só começamos a melhorar esse índice depois que a desoneração foi implementada?, disse Cláudio Elias Conz, presidente da entidade.

Segundo ele, na prática, a desoneração reduziu os preços dos produtos em torno de 8,5%. ?Quem sentiu mais os efeitos da medida foram os consumidores de menor poder aquisitivo, que geralmente fazem mais pesquisas de preço e optam pelos produtos mais em conta. Para quem estava construindo uma casa popular (em torno de R$ 40 mil ), o benefício significou uma economia de aproximadamente R$ 1,5 mil ou a construção de um banheiro?, disse.

O varejo de material de construção, de acordo com a Anamaco, fechou o ano de 2009 com crescimento de 4,2% sobre 2008 e faturamento histórico de R$ 45 bilhões. Para 2010, a expectativa da Associação é de um crescimento de 10% sobre o ano passado. ?Além da desoneração, outros fatores importantes para este desempenho foram: o aumento efetivo da renda da população, os programas Minha Casa Minha Vida, o PAC e já um início de obras para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016?, informou Conz.

Fonte: g1, www.g1.com.br