Sobem preços de casas no litoral no réveillon do Piauí

Sobem preços de casas no litoral no réveillon do Piauí

Para alguns, os preços são exorbitantes, para outros a busca de alternativas vai desde acampamento ou procura por uma hospedagem mais em conta

A virada do ano vai se aproximando e, com isso, os preparativos para observar do melhor ângulo a entrada do novo ano. Quem nunca pensou em ver os fogos com os pés na areia e olhando o mar? Este imaginário tem feito com que pessoas procurem cada vez mais o litoral, gerando um mercado crescente de aluguéis de casas. Para alguns, os preços são exorbitantes, para outros a busca de alternativas vai desde acampamento ou procura por uma hospedagem mais em conta.

Washington Silva de Sousa vem do município de Presidente Dutra, no Maranhão, para repetir a experiência que teve em 2009 no litoral piauiense. Ele está no grupo daqueles que são prevenidos, pensando na economia da família.

Ainda em agosto alugou uma casa no valor de 1. 500 reais, onde pretende desfrutar com a família e amigos.

?Para mim, esse preço vale a pena, porque procuramos antes e vamos dividir com família e amigos. Gostei tanto que estou voltando e posso dizer que vai valer muito a pena?, disse Washington Silva.

Segundo Jorge De Leon, que trabalha com aluguéis de casas no litoral, este ano a procura está muito grande e os preços variam entre 2 mil reais e 18 mil reais para casas mais equipadas com piscinas, vista para o mar em uma localização mais privilegiada. A busca pelo litoral, segundo ele, também é um fato que tem feito os preços subirem.

De Leon afirma que são muitos os turistas de outros Estados que procuram nossas belezas e locais para prática de esportes. ?A procura é geral, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e até pessoas de outros países como Finlândia. O réveillon é um evento muito comemorado nacionalmente e internacionalmente, por isso a procura?, diz.

Laércio de Sousa também trabalha com aluguel de casas e apresenta proposta de uma casa para 15 pessoas, a partir de 2 mil reais, a 2 quilômetros da praia. É o tipo de opção a ser dividida com grupos de amigos.

Mas quando não há arranjos financeiros que deem jeito na divisão dos custos, as alternativas vão desde mochileiros em busca de aventura, em acampamentos, até apertar um pouquinho para conseguir hospedagem com conhecidos.

Este é o caso de Deborah Cavalcante, que junto com os amigos vai colocar barracas no bagageiro do carro e se aventurar, mas também estuda possibilidades de conseguir hospedagem na casa de amigos moradores da região.

É o caso também de Aniele Teixeira, que considerando caro demais os aluguéis para passar apenas uma noite de ano novo, acabou optando para ficar em casas de amigos para não perder a queima de fogos na beira da praia.

Fonte: Sarah Fontenele