UFPI fecha parceria com Petrobras para exploração do pré-sal

A UFPI ingressa na Rede Temática de Geoquímica por apresentar capacidade, posicionamento e suporte para as novas propostas

Para falar do Pré-sal e de como o Piauí, através da UFPI, pode percorrer a trilha de um dos investimentos mais promissores do Brasil, dois representantes da Petrobras e um professor de química da Universidade de Campinas, dão a palestra "O Desafio Brasileiro do Pré-Sal e a Contribuição Esperada da Rede Geoquímica" hoje, às 14h30, no auditório do CT.

A entrada é gratuita. Do outro lado manchetes nacionais, a descoberta do Pré-Sal traz ao Brasil uma necessidade imediata: A adequação à realidade da evolução tecnológica e de qualificação profissional, onde muitas vezes, o país é obrigado a ser vanguarda.

O desenvolvimento científico e criações de soluções para os desafios que envolvem o petróleo, são a maior necessidade de um país de economia moderna. Mas antes de conquistá-los, um primeiro obstáculo precisa ser sobreposto. Apontando para o problema e a solução, fala Dr. Eugenio Vaz, Geoquímico de Petróleo da Petrobras.

"Pela primeira vez na história, não falta dinheiro ou condições de trabalho para um dos setores que movem a economia do país: Falta mão-de-obra especializada.". Sobram vagas, faltam pessoas. Indústrias de ponta trazem trabalhadores de alto nível do estrangeiro.

O que fazer para mudar o quadro? Da UFPI, a noção de que o investimento em pesquisa, análise e desenvolvimento de combustíveis é uma posição proativa e necessária. Da Petrobrás, representadas por Eugenio Vaz e Maria Auxiliadora Vivas, coordenadores da Rede Temática de Geoquímicas, um indicativo de que a UFPI aposta certo.

A Rede Temática é um grupo criado pela empresa petrolífera para investir em parceria com instituições de ensino no país interessadas e preparadas para trabalhar com os principais rumos da energia brasileira. Validando a experiência da Rede Temática, também veio a Teresina o Prof. Dr. Francisco Reis, do Instituto de Química da Universidade de Campinas (Unicamp).

"Se a universidade não possui a mínima estrutura, não consegue entrar na Rede", afirma Francisco. A Unicamp recentemente inaugurou, em parceria com a Petrobrás, um laboratório no valor de seis milhões de reais. Para Eugenio Vaz, o impacto de uma relação entre a Petrobras e a universidade, atingindo professores, alunos e desenvolvimento, é resumido não imediatamente pelas respostas financeiras. "Inclusão na economia moderna é toda baseada na educação. A Petrobras tem uma demanda total para profissionais de ponta estimada em 240 mil vagas. A formação para tais, parte em parceria, de dentro da universidade. A Petrobras se aproxima para deixar claro que fala sério", afirma Eugenio.

A UFPI ingressa na Rede Temática de Geoquímica por apresentar capacidade, posicionamento e suporte para as novas propostas. A parceria e a palestra, que será apresentada logo mais às 14h30 no CT, concordam silenciosamente com as palavras do professor Francisco Reis, da Unicamp: "Integridade e realizações com seriedade. Esse é o método do crescimento com qualidade".

Fonte: Assessoria