Venda de produtos típicos cresce 30% no mês de junho no Piauí

As distribuidoras comemoram a alta nos negócios em 25%,

O mês de junho é um período que leva o comércio ao aquecimento devido aos inúmeros eventos que acontecem pelo país, sobretudo, em nossa região, onde as festas juninas são tradicionais. Por conta do aumento das encomendas, as empresas que comercializam produtos típicos estão registrando ampliamção no faturamento. Em menos de 30 dias de festa a procura por cocada, castanha e a cajuína subiu em média 30% nas empresas que operam no setor; e as distribuidoras comemoram a alta nos negócios.

A gerente de uma empresa especializada em produtos típicos em Teresina, Maria Rita Sousa, conta que a demanda por estes alimentos começa a aumentar no início do mês de junho, quando as pessoas já estão montando as barraquinhas para venderem os produtos. Como é mais prático comprar os doces já prontos ao invés de mandar fazer, a loja acaba vendendo o estoque que disponibilizou para o mês, por conta do crescimento. “Nós estamos vendendo muito, é um período bom para esses produtos típicos juninos. Mas não são todos os doces que saem, a cocada, pé de moleque e as castanhas são os mais procurados”, afirma.

Há mais de 40 anos no ramo, o empresário José Luiz de Oliveira sabe que neste período a procura por esses artigos aumentam. Ele cresceu vendo o pai comercializar doces e bebidas no centro de Teresina. Por isso, de junho a julho o empresário não deixa os produtos acabarem, sempre os repõem com a distribuidora.

“Durante os festejos juninos, a minha loja sempre vende muita cocada e cajuína. Sempre vendemos 30% a mais do que os meses que antecedem as festas. Como já é tradição, já sabemos que esses produtos vão aumentar e garantimos o estoque”, revela.

Distribuidoras reforçam estoques para as festas

As distribuidoras do Pi-auí que abastecem empresas com produtos típicos aumentam a produção dos doces nesta época do ano. O gerente de uma delas, Andrew Sousa, conta que a sua empresa é responsável por suprir a demanda de todos os 300 comerciantes de Teresina e de Timon.

“Em nossa distribuidora, a procura por doces e, principalmente, cajuína que é um dos produtos muito consumidos nestas festas juninas sobem 25%. Os cajuzinhos também já acabaram antes do esperando, estávamos com um estoque que deveria aguentar até o mês de agosto, mas a demanda foi maior do que esperávamos”, disse.

Com as férias de julho se aproximando, os piauienses que retornam ao estado para passar férias levam os produtos tradicionais da região como presente ou guardam em casa. Andrew Sousa relata que os turistas chegam a gastar mais do que os próprios comerciantes locais.

“Quando acertamos as compras com algum empresário local, a média gasta por eles é de R$ 300 a R$ 400 por mês, diferente dos turistas que consomem R$ 600 só de uma vez. Julho, dezembro e janeiro são certamente, os melhores meses mais aquecidos para o nosso setor”, completa o gerente.

Fonte: Djalma Batista e Rhauan Macedo