Vendas de Natal em shoppings crescem 6% no país, diz Alshop

Em 2011, sobre 2010, o aumento havia sido um pouco maior, de 7%. Destaques partiram de perfumaria e cosméticos e óculos e bijuterias

As vendas nos shopping centers do país cresceram 6% neste Natal em relação a 2011, segundo divulgou nesta quarta-feira (26) o presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), Nabil Sahyoun. Em 2011, porém, as vendas no período cresceram 7% em relação a 2010. O valor das vendas de 2012 em reais não foi divulgado porque, segundo ele, o varejo não informa a estimativa.

Os setores que tiveram maior desempenho no Natal foram perfumaria e cosméticos (com vendas 14% superiores no Natal e 16% no ano em relação a 2011) e óculos, bijuterias e acessórios - cujas vendas cresceram 14% no período natalino e 13% no ano. Em seguida vêm os setores de vestuário (crescimento de 5% em relação ao Natal e 7% no ano), calçados (aumento de 8% no Natal e também 8% em 2012), eletroeletrônicos e eletrodomésticos (6% no Natal e 9% no ano) e brinquedos (aumento de 7% no fim de ano e mais 12% no ano).

"Acreditamos que ano que vem seja muito melhor do que este ano. Mas o varejo vai festejar o bom desempenho que temos neste ano", comemorou o presidente da Alshop. O Brasil conta com 828 shoppings, por onde circulam mensalmente cerca de 700 milhões de pessoas, segundo a entidade.

No período natalino, foram criadas 151.200 novas vagas nos shoppings, representando um crescimento de 8% em relação aos admitidos no mesmo período em 2011. A expectativa é de que 25% sejam transformadas em novos postos para trabalhadores efetivos no início de 2013.

"Começa agora a temporada de liquidações e promoções. Muita gente indo trocar presentes e que vai fazer novas compras. Acreditamos que o movimento deve continuar grande até o fim do ano", disse ele, apontando que festas nas empresas e troca de presentes de amigos secretos contribuíram para o aumento das vendas.

Vendas no ano

Já no ano, o crescimento nominal das vendas foi de 10%, fechando 2012 com um movimento de R$ 123,1 bilhões. "Considerando a inflação do período, o crescimento real foi de 4,5% no ano", afirmou Sahyoun. O varejo continua sendo um dos motores propulsores da economia do país", afirmou.

Já considerando as vendas de todo o ano anterior, o crescimento foi de 12% em relação a 2010. O crescimento real fora de 6,5% a 7%, de acordo com a associação. "A expectativa é que, em 2013, tenhamos um crescimento de 12%, o mesmo de 2011", acredita ele.

Sahyoun considera que fatores como o aumento da renda, do emprego formal no país, a redução da taxa Selic e o amplo uso dos cartões de crédito e débito, permitindo parcelar o pagamento em até sete vezes.

"O consumidor está mais consciente, está brigando mais pelo preço e pelo juro. Tivemos neste ano muita inadimplência. As pessoas estão mais preocupadas em não fazer dívidas e estão pesquisando mais", disse o presidente da Alshop. O valor médio dos gastos por pessoa caiu 20% no período - com ticket médio de R$ 35 e R$ 50, nos shoppings populares, e R$ 80 e R$ 120, nos shoppings de classe média alta, gerando um valor médio de gasto de R$ 65, apontou. A inadimplência, segundo ele, não interferiu nas vendas do varejo deste ano.

Entre os meios de pagamento escolhidos, as vendas nos shoppings realizam hoje 65% com cartões de crédito e débito, 15% com cartão próprio ou carnês das lojas, 10% com cheques e 10% em dinheiro.

Comércio eletrônico

O comércio eletrônico teve papel importante nas vendas de fim de ano em 2012, representando aumento de 18% em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo avaliação da consultoria E-bit para a Alshop, as vendas pela web tiveram faturamento de R$ 2,6 bilhões no país entre 15 de novembro e 24 de dezembro.

No ano, o e-commerce deve fechar com vendas em cerca de R$ 23 milhões, segundo estimativa da Câmara Brasileira do Comércio Eletrônico (23% a mais do que 2011). Entre os produtos mais vendidos estão livros e assinaturas de revistas e jornais, saúde, beleza e medicamentos, informática, eletrodomésticos e eletrônicos.

Fonte: G1