Vendas no Dia dos Pais devem crescer 10%

Comércio quer refletir bom desempenho visto no Dia das Mães e nos Dia dos Namorados

O comércio espera aumentar em 10% as vendas no Dia dos Pais, na comparação com o mesmo período de 2009. Na estimativa do presidente da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), Nabil Sahyoun, as vendas devem refletir o bom desempenho do comércio verificado neste ano.

- Estamos trabalhando com uma amostragem de crescimento de 10% em relação ao ano passado. Como 2009 foi um ano em que o nosso PIB foi praticamente foi zero, uma base fraca, falar em 10% de crescimento é um dado importante.

Ele diz que os principais presentes devem continuar sendo as roupas e os eletroeletrônicos. A estimativa é de que os consumidores gastem entre R$ 60 e R$ 100 com os presentes.

Sem citar números, Sahyoun diz que o Natal deste ano deve bater recorde na comparação com o do ano passado. Até agora, as vendas do Dia das Mães (maio) e do Dia dos Namorados (junho) superaram as expectativas dos lojistas. A Copa também elevou os negócios em setores como o de TVs.

No fim de 2009, a economia brasileira já mostrava recuperação. Tanto que faltaram eletrodomésticos nas lojas e o setor elevou em 11,26% os negócios, faturando R$ 78,8 bilhões no fim do ano.

- A expectativa é boa. Não tenho números porque não fizemos amostragem. No Natal temos o 13º, com injeção de bilhões na economia. Sem duvida vai crescer bastante em relação ao ano passado, que já teve um crescimento bom.

Em evento voltado para lojistas nesta terça-feira (20), o presidente da associação defendeu incentivos do governo para manter o consumo em alta.

Após o fim do IPI [Imposto sobre Produtos Industrializados] menor neste ano, eletrodomésticos da linha branca (fogão, geladeira, micro-ondas e lavadora de roupa) e veículos saíram da preferência de compra dos consumidores, como mostrou uma pesquisa divulgada na semana passada.

- Para o comércio tem que incentivar o consumo, que leva à geração de empregos e aumenta a atividade empresarial. Já está provado que toda vez que o governo usou o instrumento de diminuir impostos, o consumidor respondeu, aumentando consumo - seja de veículos, seja de eletroeletrônicos.

Fonte: R7, www.r7.com