Elevador do Mirante da Ponte Estaiada quebra novamente na capital

A interdição se deu por conta de uma das peças que comanda a abertura da porta do elevador, que é disponibilizada por apenas uma empresa no Brasil

Menos de um mês após a manutenção, o elevador panorâmico do Mirante da Ponte Estaiada está mais uma vez sem funcionar. O ponto turístico, que havia retornado atividades no início do mês de março, foi mais uma vez interditado porque a máquina que faz o transporte dos turistas ao topo da ponte quebrou novamente.


Esta é a terceira vez desde o início do ano que o elevador apresenta problemas e, em 2015, passou mais dias interditado que em funcionamento. Desta vez, o mirante está fechado porque o comando de abertura da porta do elevador deu pane.

Quem visita o local não tem coisas boas a falar. "Realmente é um ponto turístico para inglês ver, porque a população daqui não tem esse privilégio. Não lembro uma vez que vim aqui para este elevador estar funcionando.

Nem tento subir no mirante porque já sei que ele está quebrado. Para mim e várias pessoas que conheço, este mirante da Ponte Estaiada não passa de um faz de conta. Não adianta fazer propaganda se o ponto turístico não funciona", fala o estudante universitário Wenner Lustosa.

A interdição se deu por conta de uma das peças que comanda a abertura da porta do elevador, que é disponibilizada por apenas uma empresa no Brasil.

O processo de reposição é moroso e outras peças da máquina quebraram por diversas vezes. Os técnicos responsáveis não sabiam o porquê das repetidas falhas e realizaram testes durante as últimas semanas.

O superintendente de Desenvolvimento Urbano da zona Norte, João Pádua, comentou o ocorrido. "Como só existe uma empresa no Brasil que oferece manutenção ao elevador, a interrupção dos serviços costuma demorar.

Quebrava uma peça de um dos elevadores e a empresa substituía a peça danificada de um elevador pela peça boa do outro. Por isso também os dois elevadores nunca funcionaram juntos", justifica.

João informa que, na tentativa de solucionar o problema definitivamente, a Prefeitura Municipal de Teresina firmou contrato com uma nova empresa de manutenção.

O acordo é avaliado em mais de R$ 200 mil e inclui o custo de peças e da manutenção, que deverá acontecer de forma constante. "A diferença é que agora temos para quem cobrar quando os elevadores apresentarem problemas", informa o superintendente.

Um dos elevadores deve resumir o funcionamento já na manhã desta terça-feira. Segundo João, a outra unidade voltará a funcionar até o dia 10 de abril.

 

Fonte: Olegário Borges