Em mensagem de Natal, Papa pede para pessoas não serem indiferentes ao sofrimento de outras

Mas reservou suas palavras mais duras para defender as vítimas de combatentes do Estado islâmico

O papa Francisco condenou a "perseguição brutal" das minorias por insurgentes Estado islâmico na sua mensagem de Natal nesta quinta-feira e pediu às pessoas para não serem indiferentes ao sofrimento de tantas outras ao redor do mundo.

Cerca de 80 mil pessoas compareceram à Praça de São Pedro para ouvir o papa argentinto proferir a bênção e mensagem "Urbi et Orbi" (à cidade e ao mundo), marcando o segundo Natal desde a sua eleição no ano passado. O Pontífice também fez um apelo pelo fim dos conflitos em países africanos, pediu diálogo entre israelenses e palestinos, condenou o ataque por militantes do Taliban, que mataram mais de 130 estudantes no Paquistão na semana passada, e agradeceu aqueles que ajudam as vítimas da epidemia de Ebola.

Mas reservou suas palavras mais duras para defender as vítimas de combatentes do Estado islâmico que mataram ou desalojaram cristãos, xiitas muçulmanos e outros na Síria e no Iraque que não compartilham as ideologias do grupo.

- Peço-lhe, o Salvador do mundo, olhar para nossos irmãos e irmãs no Iraque e na Síria, que por muito tempo agora sofrem os efeitos do conflito em curso, e que, juntamente com os que pertencem a outros grupos étnicos e religiosos, estão sofrendo uma perseguição brutal - disse Francisco.
ADVERTISEMENT

- Que o poder de Cristo, que é libertação e serviço, faça-se sentir em tantos corações que sofrem guerra, perseguições, escravidão - completou ele.

O papa de 78 anos falou da mesma varanda da Basílica de São Pedro, onde ele apareceu pela primeira vez como pontífice, na noite de sua eleição em 13 de março de 2013:

-  Que esse poder divino tire com a sua mansidão a dureza dos corações de tantos homens e mulheres imersos no mundanismo e na indiferença. Que a sua força redentora transforme as armas em arados, a destruição em criatividade, o ódio em amor e ternura. Assim, poderemos dizer com alegria: os nossos olhos viram a nossa salvação.

Na véspera de Natal, Francisco deu um telefonema surpresa para consolar os refugiados cristãos em um acampamento em Ankawa, no Iraque. "Você é como Jesus na noite de Natal. Não havia espaço para ele também ...", ele disse a eles.

O papa terá um ano de muito trabalho pela frente, com viagens planejadas para a Ásia, África, América Latina e Estados Unidos. Outro projeto chave para 2015 é a reforma da Cúria, a administração central do Vaticano. Em saudações de Natal na segunda-feira para o início administradores do Vaticano, o papa Francisco entregou uma crítica pungente da burocracia do Vaticano.

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: O Globo