Estudante denuncia após ser identificado como 'boiola' em catraca

Ele afirma ter sido vítima de uma situação de "homofobia".

Um estudante de Direito de 27 anos registrou um boletim de ocorrência na polícia após ser identificado como "boiola" na catraca de acesso a um prédio empresarial de Salvador.  Samuel Nascimento de Oliveira relatou que foi até o Edifício Mundo Plaza, no bairro Caminho das Árvores, para fazer uma consulta médica em uma clínica quando o caso aconteceu. Ele afirma ter sido vítima de uma situação de "homofobia e discriminação".

A situação ocorreu na semana passada. "Fui ao local para uma avaliação de consulta. Quando cheguei ao prédio, passei na recepção e informei meu RG. Eles, então, me deram um cartão magnético para passar pela catraca. Na hora que eu entrei, não percebi porque não olhei para o visor. Mas quando retornei da consulta, na saída, eu coloquei novamente o cartão na catraca e vi que o meu nome estava Samuel Boiola", disse.

O estudante conta que, em seguida, ligou para uma amiga para contar o que tinha acontecido e decidiu passar novamente o cartão na catraca para tirar uma foto do visor. "Nesse momento, um amigo chegou bem na hora e me cumprimentou. Ele viu como estava meu nome na catraca e também achou um absurdo. Foi então que pedi para um segurança me mostrar onde ficava a administração do prédio para fazer uma reclamação. Um funcionário veio falar comigo e disse que iria averiguar a situação. Depois que fiz a ocorrência [na administração do prédio], fui embora", disse.


Segundo Samuel, ele foi orientado por um advogado a retornar ao prédio para solicitar um atestado médico na clínica onde foi atendido que comprovasse que ele esteve no local para registro de uma denúncia na polícia. Samuel conta que seguiu o conselho do especialista, mas que quando chegou ao prédio o nome de cadastro que aparecia na catraca tinha sido alterado.

"Antes de seguir o conselho do advogado e retornar ao prédio, um funcionário me mandou uma mensagem pelo WhatsApp me pedindo as fotos que eu tinha feito da catraca. Depois, ele me ligou e pediu também meu RG e eu passei. Quando fui no prédio e passei na catraca novamente, o nome tinha mudado: dessa vez aparecia 'Samuel Loiola', em vez de 'Samuel Boiola'. Um segurança veio falar comigo e eu disse que eles mudaram para tentar burlar o que fizeram. Fiquei constrangido", declarou.

O estudante afirma que trabalhou no Edifício Mundo Plaza, em uma empresa de viagens, em 2013 e diz acreditar que o cadastro com o nome pejorativo tenha sido feito na época em que foi admitido.

"Depois que eu peguei o atestado, a pedido do advogado, uma gerente [do empresarial] me ligou e me perguntou se eu já tinha trabalhado no local. Eu disse que sim. Depois, ela disse que retornaria a ligação, mas nunca mais ligou. Foi então que a ficha caiu: meu nome já constava no sistema dessa forma preconceituosa desde 2013, quando fiquei lá por um mês e meio. Deixei de trabalhar lá quando a empresa onde eu atuava fechou. Eu só não via que o meu nome estava desta forma porque eles só implantaram catracas com visores recentemente. Em maio, por exemplo, estive lá mas as catracas ainda eram do modelo antigo. Outra coisa que me levou a crer que meu nome estava cadastrado dessa forma é que sempre quando ia lá eles nunca digitavam o nome do computador, só puxavam pelo RG", afirmou.

"Foi constrangedor. Uma situação de discriminação. Acredito que deve haver respeito. Ninguém deve ser rotulado como 'boiola', já que a orientação sexual de cada um é um problema da própria pessoa. Fiquei muito nervoso e chateado com a situação. A sensação é de revolta. Nunca tive intimidade com nenhum recepcionista. Sempre passava por lá e apenas apresentava documentos para acesso. Nunca fiquei de conversa com ninguém e creio que tenham feito essa brincadeira por causa do meu estereótipo. Decidi denunciar para que isso não aconteça com mais ninguém", declarou.


Em nota, o Condomínio Mundo Plaza, onde fica o empresarial, informou que já tomou todas as medidas cabíveis junto à empresa terceirizada que é a responsável pela contratação do funcionário envolvido no caso. O nome do trabalhador não foi divulgado. Confira abaixo íntegra da nota enviada à imprensa:

"O Mundo Plaza respeita a autodeterminação de identidade de gênero dos seus funcionários e de todos os frequentadores do centro comercial e repudia qualquer ato de preconceito por caracterizar clara violação aos direitos da personalidade e à dignidade da pessoa humana. O empreendimento informa que já tomou todas as medidas cabíveis junto a empresa terceirizada – uma das mais respeitadas e conceituadas no mercado de prestação de serviço de Salvador -, que é a responsável pela contratação do funcionário envolvido no caso".

Fonte: Com informações do G1