Ex-Polegar Rafael Ilha pede perdão a filho e enteada

Cantor lamenta o fato de não poder abraçá-los no hospita

Mesmo sem poder ver seu filho e a enteada, o ex-Polegar Rafael Ilha, de 36 anos, pede desculpas a eles por ter se ferido na terça-feira (19) e não poder abraçá-los. A informação é do seu médico, o psiquiatra Aloísio Priuli, que pretende visitar o ex-cantor e empresário ainda nesta quinta (22) no Hospital São Luiz, no Morumbi, na Zona Sul de São Paulo.

Ilha está internado na unidade de terapia semi-intensiva, mas passa bem. “Ele [Ilha] quer ver o filho e a enteada, que também é como se fosse filha dele. Rafael pergunta sempre deles e também pede perdão aos filhos pelo que aconteceu com ele recentemente”, disse Priulli, sobre o fato de o ex-cantor ter se ferido com um caco de vidro, que cortou seu pescoço. "A família do Rafael acha que ainda não é bom levar as crianças para vê-lo.Querem esperar mais um pouco porque ele ainda está internado" Ilha foi encontrado ensangüentado dentro do elevador do prédio onde mora a sua avó, na terça.

Para a Polícia Civil, que registrou a ocorrência, Ilha tentou se matar provocando um ferimento no pescoço. A família não confirma a informação. Por decisão dos familiares de Ilha, somente o psiquiatra poderá falar sobre o estado de saúde do ex-Polegar. Ele está internado na sala de tratamento semi-intensiva De acordo com o médico, o ex-Polegar se feriu após ter tido um surto psicótico.

“Isso foi desencadeado por uma doença, o transtorno bipolar, que o Rafael se trata desde que largou as drogas”, disse Priulli. O médico ainda informou que seu paciente está em processo de separação da mulher, com quem tem um filho, e vem enfrentando uma série de problemas. Ilha, que fez sucesso nos anos 80 com um grupo musical adolescente, deve ter alta médica na sexta-feira (23).

“Nesta quinta, ele deve ir para o quarto e sair da ala de tratamento”, disse o psiquiatra. Histórico Em julho de 2008, Rafael Ilha passou 17 dias na prisão, acusado de tentativa de sequestro, formação de quadrilha e usurpação de função pública. Ele teria tentado, junto com outras duas pessoas, colocar à força em um carro a esteticista Karina Costa, de 28 anos. Ele informou à polícia que o ex-marido dela tinha entrado em contato e pedido para que a mulher fosse internada na clínica de reabilitação contra dependentes químicos do ex-Polegar.

A esteticista negou ser usuária de drogas. Rafael era cantor do Grupo Polegar, que estourou em 1989, com a música "Dá Para Mim", e chegou a vender um milhão de discos. Rafael Ilha deixou o grupo em 1991. Depois disso, o ex-vocalista acumulou passagens pela polícia.

Ele foi preso pela primeira vez em setembro de 1998, quando tentava assaltar pessoas num cruzamento para comprar drogas. Ele roubou um vale-transporte e uma nota de R$ 1 de uma balconista na Zona Sul de São Paulo. No ano seguinte, ele foi detido por dirigir uma moto na contramão. Depois, foram duas outras prisões por porte de cocaína. Em 2000, o ex-integrante do grupo Polegar passou mal depois de engolir uma caneta, três isqueiros e uma pilha, durante uma crise de abstinência.

Meses depois, ele ingeriu outras duas pilhas e precisou ser submetido a uma cirurgia, em um hospital de São Paulo, para a retirada dos objetos. Em 2005, foi detido em Itapecerica da Serra, em frente à clínica dele, com uma arma calibre 380, com numeração raspada. Ele acabou autuado em flagrante por porte ilegal de arma. Em setembro de 2007, o ex-Polegar voltou à delegacia, mas como vítima.

Rafael se dirigiu à residência de um jovem de 30 anos com intuito de convencê-lo a se internar. De acordo com a polícia, quando o homem percebeu a chegada do ex-vocalista, acabou fugindo em seu carro. Rafael passou a persegui-lo e, após um tempo, o jovem parou o carro e teria agredido o ex-cantor.

Fonte: g1, www.g1.com.br