SP: Exames apontam alterações cerebrais em ator que se enforcou na Paixão de Cristo

SP: Exames apontam alterações cerebrais em ator que se enforcou na Paixão de Cristo

Hospital afirma que não tem autorização para detalhar o diagnóstico.

O boletim médico divulgado na tarde desta terça-feira (10) pela equipe médica da Santa Casa de Itapeva aponta que o jovem Tiago Klimeck, 27 anos, passou por exames de tomografia que apontaram alterações. No entanto, o Hospital não tem autorização da família para divulgar que tipo de alteração cerebral foi apontada no exame. Ele continua em coma e em estado grave, respirando com a ajuda de aparelhos.

Na última sexta-feira (06), o rapaz, que representava Judas na encenação da Paixão de Cristo em Itararé (SP), sofreu enforcamento acidental na cena da morte do personagem. O jovem ficou aproximadamente quatro minutos desacordado até que alguém percebesse que ele estava realmente enforcado.

O rapaz está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Itapeva (SP). De acordo com o clínico geral da Unidade, o médico Mazen Aidar, Tiago sofreu uma asfixia mecânica que levou a falta de oxigênio no cérebro (hipóxia) grave e prolongada.

Os riscos da falta de oxigênio

De acordo com o especialista Mauri Rodrigues, as vítimas de sufocamento podem apresentar quadros de alterações motoras e cognitivas. Segundo isso acontece porque com a falta de oxigênio no cérebro, células cerebrais sofrem degeneração ou até mesmo morrem.

O médico explicou que, quando ocorrem danos cognitivos, o paciente apresenta perda de memória, déficit de atenção e debilidade nos movimentos. ?Isso depende da área afetada no cérebro". Ele ressalta ainda que em casos mais graves, o danos pode levar o paciente ao coma vegetativo.""Nos casos de coma vegetativo, a pessoa não come, não fala e não anda?, relata. Por outro lado, ele afirma que há casos em que o paciente não apresenta nenhuma sequela.

De acordo com o especialista, os pacientes que sofrem sufocamento devem ser avaliados com muito cuidado. ?Um enforcamento, por exemplo, depende do grau da hipóxia (falta de oxigênio no cérebro), por isso as sequelas variam de pessoa para pessoa. O exame para diagnosticar possíveis sequelas é a tomografia e os sinais neurológicos analisados por um especialista?.

Mauri explica que o fato de Tiago estar há mais de dois dias sem medicação para mantê-lo sedado, pode indicar que o cérebro está poupando atividade. ?Quando uma pessoa não está sedada, é quando o cérebro está poupando atividade cerebral devido à sobrecarga de ação na hora que houve o sufocamento?, afirma.

Mauri afirma ainda que, quando a vítima é uma pessoa jovem, a falta de oxigênio pode ficar alojada em vários locais do cérebro. ?É importante destacar que as situações variam em cada paciente e o tempo que a pessoa ficou sem oxigenação?, ressalta o neurocirurgião.

Fonte: G1