Falta de água atinge pelo menos 380 mil famílias na grande São Paulo

O sistema Alto Tietê, que abastece 4,5 milhões de pessoas na região metropolitana, atingiu um novo recorde negativo, com 10,1%, o mais baixo da história

Ao menos 380 mil famílias convivem com a falta de água nos municípios da Grande São Paulo abastecidos pela Sabesp (Companhia da Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

A presidente da companhia, Dilma Pena, afirmou na semana passada, durante sessão da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga queixas de falta de água na capital paulista, que  clientes da empresa enfrentam "falta de água pontual". Em depoimento à CPI, Dilma Pena afirmou que há "falta de água pontual" na capital paulista, mas que não se trata de racionamento. "Não existe racionamento. Existe, sim, falta de água pontual em áreas muito altas, muito longe dos reservatórios setoriais que distribuem água e em residências onde moram muitas pessoas que têm reservação muito pequena.

Nessas situações sim, tem falta de água", declarou Pena na última quarta-feira (8). Pesquisa do Ibope feita no começo de setembro indicou que 50% dos entrevistados moradores da cidade de São Paulo afirmaram ter sofrido interrupção no abastecimento de água nos três meses anteriores. Em todo o Estado, o percentual foi de 38%. Nível dos reservatórios O nível dos reservatórios que abastecem a Grande São Paulo continua a cair. Nesta terça-feira (14), o índice do Cantareira, responsável pelo fornecimento de água para 6,5 milhões de pessoas na região, caiu para 4,5%, o menor nível da sua história. No mesmo dia do ano passado, o sistema estava com 38,5%.

O sistema Alto Tietê, que abastece 4,5 milhões de pessoas na região metropolitana, atingiu um novo recorde negativo, com 10,1%, o mais baixo da história. Em 2013, estava em 52,9% de sua capacidade. E o nível dos reservatórios deve seguir a tendência de queda já que não há previsão de chuva nos próximos dias para a região onde eles estão localizados.



Fonte: UOL