Família lidera agressões a gays no PI

Família é o maior agressor de homossexuais em Teresina

O assassinato do travesti Xuxa, encontrado morto na manh? deste domingo no bairro Dirceu Arcoverde, deu visibilidade ?s pr?ticas homof?bicas em Teresina.

Um crime b?rbaro, que chocou toda a sociedade teresinense, mas que est? longe de ser um caso isolado.

Estima-se que no Brasil, a cada tr?s dias, um homossexual seja morto v?tima de crime homof?bico. Fato esse que deixa o pais como o campe?o mundial de homic?dios desta natureza. De acordo com o advogado do Centro de Refer?ncia para Promo??o da Cidadania Homossexual "Raimundo Pereira", Jucelino Torres, 40% dos registros s?o decorrentes de agress?es familiares.

As causas do crime de Xuxa ainda s?o desconhecidas, mas representantes

do segmento GLBT n?o descartam a probabilidade de um crime de natureza homof?bica. Para a coordenadora do grupo Matizes, Marinalva Santana, o assassinato de Xuxa pode ser uma rea??o preconceituosa por conta da "Paradada Diversidade". Em sua opini?o, ?medida que os homossexuais ganham destaque, as pessoas que n?oo aceitam conviver com as diversidades tendem a se manifestar de forma violenta.

Durante a divulga??o do evento, duas pessoas que trabalhavam na organiza??o sofreram agress?es verbais. "Tamb?m houve insultos no dia do evento", lamenta Marinalva. Segundo ela, em 2007 foram registrados mais de 100 casos de discrimina??o somente em Teresina.

Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte