"Fiz para salvá-lo", diz homem que resgatou e adotou cão agredido

"Fiz para salvá-lo", diz homem que resgatou e adotou cão agredido

Subsíndico do condomínio está cuidando de animal agredido por moradora

Dois dias depois de ter sido resgatado da agressão por parte da dona em um condomínio da Zona Norte de Porto Alegre, o filhote de poodle está descansando em uma nova casa. O animal foi doado pelo marido da agressora ao subsíndico do prédio, que o resgatou quando o viu desmaiado na sexta-feira (10).

Os maus-tratos foram registrados por vizinhos, que gravaram um vídeo e registraram ocorrência. A Polícia Civil investiga o caso.

"Quando eu vi ele desmaiado, coloquei a mão entre as grades e o puxei. Fiz o que fiz para salvar o filhote", disse o subsíndico Bruno Campelo na tarde deste domingo (12).

O animal foi levado por ele e pelo síndico, que é veterinário, até uma clínica, onde o animal passou por exames e foi medicado. Neste domingo, ele já estava bebendo água e se alimentando sozinho.

Além do novo lar, ele ganhou novo nome. ?Dei ao cachorrinho o nome de Rossi porque é o nome do nosso condomínio. Hoje ele até foi com a gente passear em São Leopoldo (no Vale do Sinos) para comemorar o Dia das Mães na casa da minha sogra?, contou o subsíndico.

Na noite de sexta (10), durante uma reunião de condomínio, o marido da agressora decidiu doar o animal por entender que não havia mais condições de ele seguir na casa. ?Eu não posso me posicionar como subsíndio, mas o que eu fiz foi como ser humano?, afirmou Campelo.

Polícia Civil investiga o caso

O vídeo da agressão foi gravado por vizinhos e publicado no YouTube. As imagens mostram um filhote levando chutes de uma criança e, logo em seguida, de uma mulher. As imagens são fortes. A ocorrência foi registrada no sábado (11). Na segunda-feira (13), o caso passará a ser analisado pela polícia.

Em determinado momento do vídeo, a mulher que agrediu o filhote diz para o filho. "Todos os cachorros, todos os bichos que tu vês na rua a gente não trata bem. A gente vai e bate. Escutou?", questiona a mulher à criança.

Agressões eram frequentes, diz vizinha



As imagens foram registradas por vizinhos. Eles cederam a imagem, mas pediram para não ser identificados.

"As agressões ocorrem com frequência. Estávamos há um tempo tentando flagrar. Quando ela fez isso no pátio, uma vizinha conseguiu gravar o vídeo e avisamos a polícia", disse uma das moradoras do prédio em frente.

Fonte: G1